Publicidade

Informar

13 lugares pelo mundo onde o turista já não é tão bem-vindo

Por: Redação | Comunicar erro
...
Publicidade

Nos últimos anos vem crescendo o número de destinos que estão impondo restrições e até mesmo limitando o número de pessoas por conta da degradação ou pelo comportamento nada respeitoso de alguns turistas.

O tema até foi reportagem do jornal “The Independent” no ano passado. O tabloide britânico listou oito destinos que odeiam ou rejeitam os turistas.

Lugares como Amsterdã (Holanda), Santorini (Grécia) e Arlington (EUA) fazem parte da lista onde o turista não é mais visto com bons olhos –é claro que não é com todos.

Em algumas cidades até ocorrem protestos, como em Barcelona (Espanha). Um exemplo é o bairro costeiro de Barceloneta. Os moradores protestam há anos por conta da bebedeira e sexo em espaços públicos.

Em Roma, a prefeitura fez um teste para controlar o acesso de turistas à Fontana di Trevi, um dos cartões-postais da cidade.  Uma lei também proibi moradores e turistas de entrar nas fontes para tomar banho ou sentar no mármore dos monumentos. Quem descumprir regra paga multa de até R$ 885,60.

Conheça 13 lugares onde o turista já não é tão bem-vindo:

1 – Veneza, Itália

Crédito: Getty ImagesOs moradores de Veneza se queixam de que o turismo, incluindo os navios de cruzeiro, é responsável pelo aumento da poluição na cidade

2 – Dubrovnik, Croácia

Crédito: Getty ImagesPor conta do sucesso “Game of Thrones”, Dubrovnik viu um aumento significativo no turismo nos últimos anos. A cidade costeira croata que limitar o número de turistas

3 – Islândia

Crédito: Getty Images/iStockphotoA Islândia é um popular destino de férias, especialmente devido aos preços de passagens aéreas. No entanto, todo o país ficou sobrecarregado com os turistas nos últimos anos

4 – Cozumel, México

Crédito: Getty ImagesCozumel é o segundo destino de cruzeiros mais popular do mundo. Esse tráfego tem danificado os corais que cercam a ilha mexicana

5 – Barcelona, ​​Espanha

Crédito: Getty ImagesVista da praia Barceloneta, em Barcelona; moradores reclamam da bebedeira e sexo em áreas públicas

6 – Santorini, Grécia

Crédito: Getty ImagesUm dos destinos mais populares no verão europeu, Santorini impôs um limite de visitantes dos cruzeiros a 8 mil por dia

7 – Roma, Itália

Crédito: Getty ImagesFontana Di Trevi, um dos cartões-postais de Rome; prefeitura da cidade proibiu nadar e sentar nas fontes da capital italiana

8 – Grande Ilha Major Cay, Bahamas

Crédito: Getty ImagesMoradores dizem que turistas estão causando a morte dos famosos porcos nadadores de Major Cay ao alimentarem os animais na areia

9 – Amsterdã, Holanda

Crédito: Getty ImagesEm resposta a um aumento do turismo, a cidade colocou restrições às plataformas de aluguel de casas

10 – Cuba

Crédito: Getty ImagesO número recorde de 3,5 milhões de visitantes em 2016 levou a uma falta de comida para os habitantes locais, que também não conseguem pagar por muitos itens básicos, que subiram de preços por conta dos turistas

11 – Butão

Crédito: Getty ImagesButão tem uma política de “turismo de alto valor e baixo impacto”. O resultado é que o número de turistas é restrito e que a maioria dos visitantes tem que pagar £ 190 por dia

12 – Cinque Terre, Itália

Crédito: Getty ImagesCom o crescente número de visitantes, em fevereiro de 2016, o vilarejo introduziu um sistema de controle limitando a 1.500 pessoas por dia

13 – Arlington, EUA

Crédito: Getty ImagesEm 2015, a companhia aérea Stratos Jets analisou mais de 37 mil tuítes para determinar quais locais nos EUA eram mais amigáveis –e mais hostis– para os visitantes. Claro, está longe de ser científico, mas os resultados indicaram que Arlington, Texas, era o destino menos turístico do país devido ao seu estigma dos moradores não serem tão amigáveis com os turistas

Compartilhe:

Publicidade
Publicidade

Museu de Anatomia Humana da USP exibe peças que ensina como o seu corpo funciona

Cereja Flor: O lugar das taças de sorvetes gigantes em São Paulo

Fondue taiwanês é a próxima delícia que você tem de provar

Médica tira dúvidas sobre anticoncepcional

Refugiados se tornaram microempreendedores em um lava-rápido em São Paulo

Publicidade