Aviões podem ter assentos em formatos de beliche no mundo pós-pandemia

Em meio à pandemia, empresa aérea propõe criação de beliches em aviões para dar mais segurança e privacidade

Por: Redação

O mundo pós-pandemia terá pela frente uma série de desafios. Por exemplo, como viajar de avião sem pensar nos riscos que o vírus pode oferecer ?

Diante do debate sobre o distanciamento social, companhias aéreas buscam alternativas para tornar as viagens mais seguras. A exemplo da empresa porto-riquenha Zephyr Aerospace LLC, que estuda um ambicioso projeto de remanejamento de assentos em voos comerciais.

aviões beliche pandemia
Empresa afirma que modelo assentos pode ser customizado para todas as companhias e tipos de aviões

A ideia é oferecer mais conforto em um modelo de cabine individual, permitindo, assim, o distanciamento considerado seguro na classe econômica.

Com a mudança, passageiros da classe econômica poderão finalmente viajar deitados e, com algum conforto, sem que para isso precisem desembolsar uma grana.

O novo modelo projetado pela Zaphyr propõe assentos mais amplos, que permitem um ambiente privado e seguro, com distanciamento social e conforto: possibilitando esticar as pernas ou até deitar nas cabines individuais.

Em meio à repercussão do projeto, a empresa criou um site de financiamento coletivo para que pessoas possam investir no projeto, a partir de $100. Saiba como participar da campanha.

Beliches

Além dos assentos mais amplos, a empresa estuda também a possibilidade de investir em bancos empilhados, semelhante a uma beliche. O modelo ofereceria mais conforto aos clientes, mantendo o distanciamento social_e o acesso aos assentos seria realizado por meio de uma escada retrátil.

Esses são alguns modelos estudado para proporcionar distanciamento, segurança e privacidade nas viagens em meio à pandemia. Ainda de acordo com a empresa, os novos modelos de assentos podem ser customizados para todas as companhias e tipos de aviões, independente do fabricante ou idade da aeronave.

Companhias como a British Airways, Lufthansa, Delta, Air New Zealand, Qantas e Japan Airlines, além de fabricantes de assentos e aeronaves, demonstraram interesse na proposta.