Bixiga 70 e Luiza Lian lançam ‘Alumiô’ com promoção na Catraca Livre

Show tem ingressos com 60% de desconto; veja cupom

Por: Redação
08
de dezembro 2019
Abertura 19h; Show 20h30

Nada mais lindo na música do que dois projetos que se encontram e desabrocham novas possibilidades. Nesta boa fase que a música brasileira atravessa, duas forças da cena se encontram e florescem juntas para ampliar horizontes. Nessa toada, a cantora e compositora Luiza Lian e a big band Bixiga 70 lançam “Alumiô“.

Crédito: Filipa Aurélia e José de HolandaLuiza Lian e Bixiga 70 unem forças em nova faixa

A faixa, composta por Luiza e arranjada e gravada no estúdio Traquitana, lar do Bixiga, com vocais gravados no Estúdio Canoa, conta com duas versões, uma produzida pelo grupo e outra pelo produtor de Lian, Charles Tixier. O compacto tem lançado marcado para o início de dezembro nas plataformas digitais e também em vinil pelo selo RISCO, além de funcionar como ponto de partida para uma apresentação conjunta ao vivo, no Cine Joia, também em dezembro.

Este é o último show do ano em São Paulo tanto da Luiza, com a turnê de “Azul Moderno”, quanto do Bixiga, com a turnê “Quebra – Cabeça”. Mais do que isso, é um encontro inédito no palco onde as duas atrações prepararam um repertório especial.

O show acontece no Cine Joia, domingo, dia 8 de dezembro, a partir das 19h. Os ingressos estão a venda por valores a partir de R$ 45, mas usando o código ALUMIOCATRACA no site de compras, você garante 60% de desconto. Bom demais, né? Então vamos nessa!

Bixiga e Luiza

O Bixiga 70, formado por dez músicos com história na cena musical paulistana, é a principal banda instrumental em atividade no Brasil. Sua história começa há dez anos, quando, influenciados pelas convulsões político-musicais lideradas pelo papa do afrobeat, o nigeriano Fela Kuti, os músicos se juntam numa usina de som e groove que pouco a pouco foi incorporando outras tradições musicais – melodias do Oriente Médio que se colidem com a música caribenha, samba de roda em parceria com a cumbia sul-americana, vibrações jamaicanas que se harmonizam com tradições nordestinas.

Já Luiza Lian lançou seu primeiro disco no meio da década e reinventou sua carreira logo no segundo passo, ao transformar um single em um EP que depois virou um vídeo-álbum e um espetáculo. Com “Oyá: Tempo” ela passou a dividir seu trabalho com o produtor Charles Tixier e juntos compuseram um dos melhores discos brasileiros desta década, o intenso “Azul Moderno”, que funde a tradição da música brasileira à música eletrônica deste século, pairando entre a pista de dança e o terreiro, o trip hop e a roda de samba. No palco, o disco ganha ares de espetáculo audiovisual e a construção cênica do palco eleva a cantora e compositora a um patamar próximo dos grandes artistas deste século.

“Alumiô” tem a felicidade de encontrar os dois projetos em momentos de transição. Composta por Luiza logo após o lançamento de seu álbum, ela faz parte do início do novo processo de composição da cantora e traz elementos da musicalidade de Jorge Ben, além de uma releitura dos elementos espirituais de sua musicalidade.

Arranjada pelo Bixiga, em versão chamada de “Alumiô (Cai na Terra)” a música também flagra o grupo em transformação, baixando um pouco a bola do baile para jogar foco maior em suas nuances sonoras, abrindo espaços para que todos os instrumentos soem suaves e sutis, sem o choque sonoro proposto originalmente no som da banda. Estes detalhes são realçados pela pós-produção orgânica proposta por Tixier, que foge dos cortes secos e contrapontos bruscos de Azul Moderno para buscar uma nova sonoridade para Luiza.

Leia também: