O samba vai comer solto em São Paulo no mês de dezembro

Mais de 65 atividades, como shows, rodas de samba e sessões de cinema celebram o Dia do Samba durante o mês todinho

Por: Redação
Até
15
de dezembro 2019
Segunda - Terça - Quarta - Quinta - Sexta - Sábado - Domingo
Confira os eventos na programação

O Dia Nacional do Samba ganha uma programação especial e gratuita em São Paulo. Durante todo o mês de dezembro, a cidade celebra a importância do gênero para a formação da identidade nacional, com destaque para o seu desenvolvimento na capital.

Ao todo, esse super evento conta com mais de 65 atividades, incluindo shows, rodas de samba, seminário e sessões de cinema em 47 pontos em todas as regiões da cidade. É coisa pra dedéu!

fabiana cozza, virginia rosa e pagode da 27 são destaques da programação do dia do samba
Crédito: DivulgaçãoNomes como Virgínia Rosa, Fabiana Cozza, Demônios da Garoa, Pagode da 27, Thobias da Vai-Vai e as Velhas Guardas das Escolas de Samba Nenê de Vila Matilde e Camisa Verde e Branco, além de e rodas de samba de 24 comunidades espalhadas pela cidade são destaques

O Dia Nacional do Samba é oficialmente celebrado em todo o país no dia 2 de dezembro, que reconhece a importância desse ritmo musical na cultura brasileira. Por isso, nesse mesmo dia, o espaço cultural mais nobre da cidade, o Theatro Municipal, abre as suas portas para o estilo musical.

O “Sambando no Municipal” apresenta dez horas de atrações, que incluem shows de Fabiana Cozza, Germano Mathias, Demônios da Garoa, Nãnãna da Mangueira, Thobias da Vai-Vai, as Velhas Guardas das Escolas de Samba Nenê de Vila Matilde e Camisa Verde e Branco, a bateria da Mocidade Alegre… e muito mais!

A iniciativa dá continuidade ao trabalho de aproximar o Theatro Municipal ao caráter multicultural de São Paulo, diversificando a programação do espaço, que muitas vezes é vista como elitizada.

O palco, que tem com mestres de cerimônia o ator e sambista Ailton Graça e a jornalista Claudinha Alexandre, recebe também homenagens a artistas como Carlão do Peruche, Ideval Ancelmo, Laurinha da Embaixada Nenê Vila Matilde, Maria Helena (Rosas de Ouro) e Oswaldinho da Cuíca.

pagode da 27 é um dos destaques da programação do dia do samba em são paulo
Crédito: DivulgaçãoO grupo Pagode da 27 se apresenta no dia 1º de dezembro, no Centro Cultural do Grajaú

Na área externa do Municipal, acontecem, a partir das 10h, rodas de samba e apresentações de cantoras como Jurema Pessanha e Adriana Moreira e o Grupo Feitiço de Mulher. Já no saguão nobre do Theatro, acontece o autêntico choro do Regional Mistura – Chorinho Silvillí.

A programação do Dia do Samba em São Paulo inclui também rodas de samba de 24 comunidades espalhadas pela cidade, entre os dias 1º e 15. A ideia é fazer com que a atuação destes grupos mantenha o samba vivo em todos os cantos da cidade, possibilitando que seja passado de geração para geração, em rodas comunitárias regulares.

Esta programação especial homenageia estes grupos reconhecendo a sua importância para a existência de um Mapa das Comunidades de Samba, nome dado ao programa.

Outros espaços culturais da cidade também recebem programação, que inclui a apresentação da Comunidade Pagode da 27, no dia 1º, no Centro Cultural do Grajaú; o show Virgínia Rosa canta Clara Nunes, no Centro de Culturas Negras do Jabaquara, dia 2.

A cantora Fabiana Cozza faz show homenagem a Dona Ivone Lara, na Casa de Cultura da Freguesia do Ó, dia 4; no Centro Cultural de Santo Amaro, dia 6, e Casa de Cultura do Butantã, no dia 8.

No centro da cidade, o Triângulo SP recebe o Palco do Samba no Coreto da Bolsa. No dia 3, às 13h, o público dança ao som do Samba de Roda da Nega Duda; e, às 18h, é a vez de Deolindo. Dia 4, às 13h, Morro da Maloca; e, às 18h, Célia Nascimento. Dia 5, às 13h, Adriana Moreira; e, às 18h, Batuque de Lara. Dia 6, às 13h, Regina Benedetti; e, às 18h, Núbia Maciel e as Divinas do Samba. Dia 9, às 13h, Abcdário do Samba com Verônica Ferriani; e, às 18h, Graça Braga canta Martinho.

A Biblioteca Mário de Andrade recebe o seminário “Vozes do Samba”, no dia 7. Abrem o evento, às 9h30, Alexandre Youssef, secretário municipal de Cultura; e Raquel Schenkman, diretora do Departamento do Patrimônio Histórico (DPH). São realizadas duas mesas:

  • “Cenário da salvaguarda do Samba em São Paulo – Políticas culturais em âmbitos municipal, estadual e federal”, com Walter Pires (DPH / Secretaria Municipal de Cultura), Elizabeth Mitiko (UPPH / Secretaria de Estado da Cultura) e Marcos Rabelo (IPHAN / Departamento de Patrimônio Imaterial);
  • “Samba Paulistano: Memória, tradição e Linguagem”, com Moisés da Rocha (Sambista e Radialista), Maitê Freitas (Samba Sampa), Tadeu Kaçula (Sambista, Sociólogo e Pesquisador), Wagner Nogueira (Sambista e Advogado) e mediação de Ronaldo Bitello (Coordenador geral da comissão de Carnaval de Rua da Cidade de São Paulo).

Além disso, a biblioteca realiza um Cinemário com a temática “O samba no cinema”, no dia 4. Vão ser exibidos por lá “Batuque Paulista – A Trajetória do Samba de São Paulo, do Rural ao Urbano” (2016), de Thais Lopes, que participa de debate após a exibição; e “Lavapés: Ancestralidade e Permanência” (2017), filme idealizado pelo grupo de pesquisa de Performatividades e Pedagogias da Unesp sobre a escola de samba mais antiga da cidade São Paulo, fundada em 1937.

Após a sessão, rola um bate-papo com Rosemeire Marcondes, presidente da agremiação e neta da fundadora, Madrinha Eunice, e convidados.

Em parceria com a Spcine, o Dia do Samba também disponibiliza filmes na plataforma de streaming SpcinePlay, a partir do dia 2. São dois documentários: “Samba à Paulista” (2007), de Gustavo Mello, e “Lavapés: Ancestralidade e Permanência” (2017), do grupo de pesquisa de Performatividades e Pedagogias da Unesp.

A programação completinha, do jeitinho que a gente gosta, tá no site oficial da Prefeitura.

Samba de graça? SP tem! Olha só:

1
Ópera do Arame: símbolo emblemático de Curitiba
Entre lagos, vegetação típica e cascatas, numa paisagem singular, está a Ópera do Arame. Colaí que eu vou te contar porque …
2
Cisne Branco: Espaço cultural flutuante em Porto Alegre
Verdadeiro ícone de Porto Alegre, o barco Cisne Branco é referência quando se fala de rolê flutuante! Colaí pra navegar nessas …
3
As obras de Niemeyer espalhadas por BH
Você sabia que há várias obras de Niemeyer espalhadas por BH? Colaí que eu vou mostrar pra você!
4
Poço da Panela: um roteiro imperdível e relax no Recife
Pensando em roteiros diferentes e alternativos para curtir o Recife? Que tal conhecer o histórico bairro do Poço da Panela? …
5
O melhor acarajé de BH é na Feira Hippie
A Feira Hippie é a maior feira da América Latina! Lá você encontra de tudo, inclusive, o melhor acarajé de …
6
Um pulo na ponta do Humaitá e no Forte de Monte Serrat, em Salvador
Um dos lugares mais charmosos de Salvador, com privilegiada vista da Baía de Todos os Santos e um pôr de …
7
Teatro Oficina Uzyna Uzona: patrimônio vivo em SP
Que tal conhecer o grupo de teatro mais antigo e em atividade do Brasil? Sessentona, a Companhia Teatro Oficina Uzyna Uzona …
8
Confeitaria Colombo: gastronomia certa no Rio de Janeiro
Um combo perfeito de arquitetura, decoração e gastronomia, tem um nome: Confeitaria Colombo. Colaí que vamos te mostrar este rolé inesquecível!