Filmes preservados em super8 ganham mostra gratuita no MIS

Por: Redação

No próximo sábado, 26 de outubro, o Museu da Imagem do Som celebra o Dia Mundial do Patrimônio Audiovisual com a mostra Produção em Super8 no acervo do MIS. A data instituída pela UNESCO no dia 27 deste mês relembra instituições que preservam acervos audiovisuais e estratégias para a preservação dos materiais.

 São Paulo em Super8

A programação apresenta seis filmes do cineasta Abrão Berman, papa do Super8 em São Paulo, realizados para o Cinemóbile. O projeto de Berman e Cláudio Tozzi unia a imagem em movimento com as artes plásticas: “Marilyn”, “Caretas”, “Cinemania 50”, “Colores”, “Calendário”, “São Paulo vista por Abrão Berman”. Também será exibido “Os cinemas estão fechando”, de 1977, um inventário audiovisual realizado por Abrão Berman sobre o fechamento dos cinemas de rua em São Paulo na década de 1970.

Abrão Berman

Encerram a exibição os filmes “Oi nóis aqui traveis”, de Flávio del Carlo, “Ladainha”, de Luiz Antônio Pio e “Claustro”, de Cyro Ferraz e Tito Paes de Barros, todos integrantes da coleção Abrão Berman.

As exibições começam às 18h e duram ao todo 1h30. A entrada é gratuita e a retirada de ingressos deve ser feita com 1h de antecedência na Recepção do Museu. Todos os filmes exibidos foram digitalizados em parceira com a Procimar Cine-Vídeo e a exibição será em formato digital.

Programação em ordem:

Marilyn, Dir. Abrão Berman, 1970 – 1973, 5’
Caretas, Dir. Abrão Berman, 1970 – 1973, 2’40”
Cinemania 50, Dir. Abrão Berman, 1970-1973, 5’
Colores, Dir. Abrão Berman, 1970-1973, 5’
Calendário, Dir. Abrão Berman, 1970-1973, 2’34”
São Paulo vista por Abrão Berman, Dir. Abrão Berman, 1970-1973, 2’40”
Os cinemas estão fechando, Dir. Abrão Berman, 1977, 27’

Ói nóis aqui traveis, Dir. Flávio Del Carlo, 1977, 4’
Alegoria do momento político. Mostra a atuação dos militares e as possibilidades de ação política organizada.

Ladainha, Dir. Luiz Antônio Pio, 1971, 15’
Um homem descrente é massacrado pelos acompanhantes de uma procissão por não querer tirar seu chapéu.

Claustro, Dir. Cyro Ferraz e Tito Paes de Barros, 1980, 17’
Da crônica “No elevador”, de Carlos Drummond de Andrade e do conto “As cabeças de segunda-feira”, de Ignácio de Loyola Brandão. O dia-a-dia de um ascensorista.

Leia também: