Ação usa bolas para representar desigualdade de gênero no esporte

Por: Redação | Comunicar erro
Cada bola está pintada proporcionalmente em rosa e azul para evidenciar as diferenças

A desigualdade de gênero está presente em todos os setores da sociedade. E no esporte isso não é diferente. Para encerrar as ações do Mês da Mulher, a espnW lançou nesta quinta-feira, dia 29, uma campanha que ilustra as diferenças entre homens e mulheres no esporte.

O objetivo é mostrar a discrepância de investimentos, premiações e salários em diversas modalidades. A ação, intitulada “Inequality Balls”, usa bolas de basquete, futebol, handebol e vôlei para representar visualmente o problema. Cada bola está pintada proporcionalmente em rosa e azul, evidenciando as diferenças.

Participam da ação atletas ícones do esporte nacional, como Jaqueline e Camila Brait, do vôlei, e Janeth, do basquete. O projeto é idealizado pela Agência Africa e desenvolvido em parceria com a Penalty e a Netshoes.

O projeto surgiu em resposta à pesquisa produzida pelo jornal britânico Sporting Intelligence que, em 2017, analisou a remuneração de 465 times de 29 ligas, em 16 países e 9 modalidades diferentes e evidenciou que a disparidade está presente em todos os esportes.

De acordo com dados da pesquisa, no basquete, uma jogadora ganha até 96 vezes menos do que um jogador de mesmo nível técnico. Já no futebol, as bolas chamam atenção para o fato de que a média salarial de um único jogador é maior do que a média de um time inteiro com vinte atletas de futebol feminino.

A linha de bolas mostra que esse abismo também está no handebol: o ganho médio das jogadoras que praticam a modalidade na Europa não passa de 34 mil dólares, enquanto os homens possuem médias salariais que superam a casa dos milhões. Mesmo em esportes como o tênis, em que o assunto é amplamente discutido há décadas, alguns torneios ainda apresentam grandes diferenças.

No site da iniciativa, é possível comprar as bolas e contribuir para a igualdade no esporte.

Assista:

  • Leia também:

Compartilhe:

1 / 8
1
06:43
Após ser acusado de comunista, Dimenstein cobra provas de Hasselmann
A deputada federal Joice Hasselmann perdeu a calma nas redes sociais ao atacar o jornalista Gilberto Dimenstein, acusando-o de militante …
2
04:53
Netflix e KondZilla lançam ‘Sintonia’, da periferia para o mundo
KondZilla tem razão quando afirma: "A favela venceu". “Sintonia”, a nova série da Netflix, prova isso. A ideia original é dele …
3
04:21
Sinais que indicam problemas no estômago
Ter tosse seca pode ser um sinal que o seu estômago não vai muito bem. Hoje, o Dr. Raul Cutait, médico …
4
03:43
O estrago de Frota é maior que o Bolsonaro poderia acreditar
Após ser expulso do PSL, o deputado federal Alexandre Frota confirmou sua filiação ao PSDB, partido de João Doria, governador …
5
03:03
Câmara aprova projeto de lei sobre abuso de autoridade
A Câmara dos Deputados aprovou o projeto de lei que define quais situações configuram abuso de autoridade. Agora, o texto …
6
04:07
Um pedido de desculpas à Angela Merkel pelas ofensas de Bolsonaro
Depois de dizer a um repórter que ele deveria fazer cocô dia sim, dia não para preservar o meio ambiente, …
7
03:26
Mortes provocadas pelo fim dos radares deveriam ter nome de Bolsonaro
O presidente Jair Bolsonaro determinou nesta quinta-feira, 15, a suspensão dos radares de fiscalização de velocidade móveis em rodovias federais …
8
04:56
‘Risk’, na Netflix, vaza a imagem não autorizada de Julian Assange
Será que, em um ato de coragem, você arriscaria sua própria liberdade para trazer à tona realidades que manipulam a …