ANM diz que Vale escondeu que barragem em Brumadinho tinha problemas

Tragédia aconteceu em janeiro deste ano, já soma 252 mortes e 18 pessoas desaparecidas ou não identificadas

Por: Redação

A Agência Nacional de Mineração divulgou nesta terça-feira, 5, um parecer técnico sobre a barragem que se rompeu em janeiro deste ano em Brumadinho (MG). Segundo o documento, as informações fornecidas pela Vale S. A, empresa responsável pela barragem, “não condizem com as que constam nos documentos internos da mineradora”.

Bombeiros em Brumadinho
Crédito: Fotos públicasO Corpo de Bombeiros de Minas Gerais com uma vítima do rompimento da barragem da Mina Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG)

Essa omissão teria impedido que a agência tomasse medidas cautelares de cobrar ações da empresa, o que poderia ter evitado o desastre. Segundo informações do G1, 252 mortos foram identificados e outros 18 ainda estão desaparecidos ou não identificados.

O parecer tem 194 páginas e aponta as falhas e informações desencontradas que a Vale forneceu oficialmente. Entre eles, o documento mostra que durante a instalação de um dos DHPs (Drenos Horizontais Profundos), que são tubos permeáveis, foi detectada a presença de sólidos, e que isso é considerado anormal.

Os técnicos perceberam a saída de material sólido na água injetada para fazer os furos do dreno. A Vale interrompeu a instalação do dreno e “vedou” o furo, mas isso não foi relatado à ANM.

Picos de pressão de água em dois piezômetros, instrumentos que mostram a pressão da água, também foram registrados durante a perfuração de DHPs. No dia 10 de janeiro, os dois piezômetros entraram em nível de emergência, mas a ANM também não ficou sabendo disso.

O documento vai ser enviado ao Ministério Público Federal e às polícias Federal e Civil de Minas Gerais.

A Vale disse ao G1 que não ia comentar as decisões da ANM porque não teve acesso a todo o relatório, mas que todo o histórico do estado de conservação da barragem foi dado às autoridades.

Compartilhe: