Últimas notícias:

Loading...

Cadela espancada e morta no Carrefour ganha estátua

Monumento foi Instituto Manchinha uma ONG, que atua na defesa dos direitos dos animais

Por: Redação

Em 2018, a cadela Manchinha foi espancada e morta por um segurança do supermercado Carrefour, em Osasco (SP). Passados dois anos de sua cruel morte, a cachorrinha ganhou uma estátua em sua homenagem no Pet Parque da cidade.

Estátua em homenagem à cadela Manchinha
Crédito: Divulgação/Instituto ManchinhaEstátua em homenagem à cadela Manchinha

O monumento foi inaugurado no dia 28 de novembro e foi idealizado pelo Instituto Manchinha, uma ONG que atua na defesa dos direitos dos animais, que arcou com os custos do monumento, feito em parceria com a prefeitura de Osasco, que autorizou a instalação da estátua no local.

“O legado manchinha continua abrindo portas para os direitos dos animais e para que os maus tratos sejam vistos cada vez mais como uma coisa abominável”, escreveu a ONG na postagem de sua rede social em que anunciou a inauguração da estátua.

Relembre o caso

cadela deitada com patinhas cruzadas
Crédito: ReproduçãoCadela Manchinha foi morta por um segurança do Carrefour de Osasco

A cadela Manchinha transformou o entorno do supermercado Carrefour, em Osasco, em seu lar. Depois de um mês vivendo na região, em dia 28 de novembro de 2018, um segurança do estabelecimento a matou a golpes de barra de ferro.

As circunstâncias da morte de Manchinha causaram comoção nas redes sociais e protestos.

O segurança acusado de cometer maus-tratos e matar o animal confessou o crime em depoimento à Delegacia de Meio Ambiente.

O vigia de uma empresa terceirizada disse que se arrependeu de agredir a cadela, e que não tinha a intenção de matá-la. Ele afirmou que só notou a gravidade do problema após ter visto sangue, momento em que acionou o Centro de Controle de Zoonoses.

Denuncie: Saiba como agir em casos de maus-tratos contra animais

O acusado foi indiciado por praticar abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais. Caso seja condenado, ele pode pegar uma sentença de três meses a um ano de prisão e ainda pagar uma multa. O segurança responderá em liberdade.

Em nota, a Secretaria de Segurança Pública disse que o caso ainda está sendo investigado. “Policiais analisam imagens de câmeras de segurança do local e colhem oitivas de testemunhas, como a veterinária do Centro de Zoonoses de Osasco, que atendeu o animal, e o segurança do estabelecimento, porém mais detalhes não podem ser passados para não atrapalhar as investigações.”

O Carrefour emitiu um comunicado oficial em sua página no Facebook, no qual reconheceu que “um grave problema ocorreu” na unidade e ressaltou que “o funcionário de empresa terceirizada foi afastado”.

A rede de supermercados assinou um acordo com o Ministério Público de São Paulo e foi obrigado a pagar R$ 1 milhão a um fundo dedicado a causa animal, criado pela prefeitura de Osasco.

Compartilhe: