#EleNão contra Bolsonaro ganha o mundo e vira #NotHim

Por: Redação

O #EleNão” está se espalhando pelo mundo agora como #NotHim, atraindo a solidariedade de mulheres de vários país do mundo.
Uma dos responsáveis pela disseminação do #NotHim é a BBC, de Reino Unidos, que fez uma longa matéria explicando as razões da mulheres brasileiros e ouvindo celebridades.

A reportagem fez um levantamento das frases polêmicas feitas por Bolsonaro ao longo de sua vida: o salário das mulheres, por exemplo.

O que chamou a atenção da BBC foi o tamanho do grupo da mulheres contra o deputado, caminhando agora para 3 milhões de seguidoras, além das manifestações de celebridades.

Hashtags promovidas por #MulheresContraOBolsonaro ainda ocupavam o topo dos trending topics. Isso se deve à indignação contra a invasão de hackers ao grupo “Mulheres Unidas Contra Bolsonaro” combinada com a entrada de famosas na briga.

Celebridades como as cantoras  Daniela Mercury, Pitty, Alinne Rosa e Karon Conka e as atrizes Deborah Secco, Fernanda Paes Leme, Claudia Raia Débora Falabella e youtuber Kefera usaram a internet para publicar mensagens contra o candidato.

Além disso, nos últimos dias, o coro contra Bolsonaro ganhou o reforço de nomes internacionais como a cantora inglesa Dua Lipa e a ex-Fifth Harmny Lauren Jauregui. Confira a lista:

Visualizar esta foto no Instagram.

Aqui vai uma sequência de exercícios que aliviam a tensão ?

Uma publicação compartilhada por Karol Conka ??‍♀️ (@karolconka) em

View this post on Instagram

#elenão

A post shared by Daniela Mercury (@danielamercury) on

View this post on Instagram

#elenão ELE NÃO!

A post shared by Alinne Rosa (@alinne) on

No final de semana, as hashtags também conseguiram entrar no trending topics mundial.

Hackers atacam “Mulheres Unidas Contra Bolsonaro”

Em meio aos ataques incessantes dos últimos dias, o grupo “Mulheres Unidas Contra Bolsonaro” foi devolvido às criadoras do levante coletivo criado na rede social.

No último sábado, 15, a página foi invadida por hackers que, após expulsar as idealizadoras do movimento, trocaram o nome para “Mulheres com Bolsonaro” e incluíram uma foto do presidenciável. Por conta das atividades suspeitas, foi retirado do ar temporariamente.

No inicio da tarde deste domingo, 16, porém, o Facebook anunciou o retorno das atividades do MUCB. “O grupo foi restaurado e devolvido às administradoras”. A partir de hoje será feita uma faxina para limpar os estragos feitos pelos invasores.