CORONAVÍRUS
Loading...
Últimas notícias e tudo que você precisa saberAtualizando informações
Infectados-
Mortes-
Recuperados-

Justiça manda soltar estudante picado por naja no DF

Pedro Henrique Krambeck é suspeito de crime ambiental e de tentar atrapalhar investigações sobre tráfico de animais

Por: Redação

A Justiça do Distrito Federal mandou soltar no fim da tarde desta sexta-feira, 31, o estudante de veterinária Pedro Henrique Santos Krambeck Lehmkuhl, 22, picado por uma cobra naja no começo de julho.

A prisão temporária foi revogada pelo relator da 2ª Turma Criminal, desembargador Roberval Casemiro Belinati, em decisão monocrática, após pedido da defesa do jovem. Pedro estava preso desde a última quarta-feira, 29.

Naja
Crédito: Reprodução/TV GloboPedro Henrique Krambeck, picado por uma naja, é suspeito de crime ambiental e de tentar atrapalhar investigações sobre tráfico de animais

O estudante é suspeito de cometer crime ambiental e de ter tentado atrapalhar as investigações sobre o tráfico de animais exóticos.

No começo da tarde de hoje, Pedro Henrique Santos Krambeck prestou depoimento por cerca de três horas no 14º DP, no Gama.

A Justiça também mandou soltar hoje o colega de Pedro, Gabriel Ribeiro de Moura, 24 anos, que estava preso temporariamente. O rapaz também é suspeito de tentar atrapalhar as investigações sobre um suposto esquema de tráfico de animais.

Entenda o caso da naja

Pedro Henrique Santos Krambeck foi picado no dia 7 de julho por uma naja que criava em casa. O jovem chegou a ficar em coma, mas teve alta no dia 13. Por conta de um atestado médico, só prestaria depoimento em agosto.

No último dia 16, Pedro foi multado em R$ 81,3 mil por manter animais nativos e exóticos em locais inapropriados e sem autorização, além de maus tratos, e por dificultar as ações do Ibama (Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Renováveis).

De acordo com a Polícia Civil do DF, Pedro seria dono de pelo menos outras 16 serpentes. Ele costumava postar fotos com os bichinhos nas redes sociais.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.