‘Precisamos parar de comparar as crianças’, sugere especialista

Meninos que não querem jogar futebol; meninas que não querem dançar ballet; crianças que não se interessam por outras crianças e preferem ficar sozinhas; pressão por desempenho em meninos e meninas superdotados. A professora Zenita Guenther, em uma entrevista inspiradora concedida à revista Época, aponta todos esses elementos como responsáveis por “marcar” as crianças como diferentes e possivelmente acarretar traumas e dificuldades de autoaceitação. Na entrevista, ela defende o acompanhamento cuidadoso e ininterrupto da família na vida dos pequenos e na construção do modo como elas se perceberão por toda a vida.

Zenita é umas das grandes referências brasileiras em superdotação. Em suas entrevistas, ela defende o papel da família de proporcionar segurança e acolhimento às crianças, já que a carência desses elementos, sobretudo em crianças mais inteligentes do que média, pode ocasionar ansiedade e traumas psicológicos.

Aposentada pela Universidade Federal de Minas Gerais, a professora fundou o Centro para o Desenvolvimento do Potencial e do Talento em Lavras, Minas Gerais, um dos primeiros institutos a trabalhar com superdotação com foco em três vertentes: o atendimento a crianças, a famílias e a formação de professores.

"Qualquer comparação é negativa para a criança", defende a professora.
“Qualquer comparação é negativa para a criança”, defende a professora.

Para ela, a comparação e o senso de competitividade são os grandes vilões do pleno desenvolvimento da infância. Zenita costuma dizer que se os pais pararem de comparar seus filhos com as outras crianças e começarem a respeitar o que elas verdadeiramente são, metade daquilo que as famílias percebem como “problemas” acaba. “Qualquer comparação é negativa para a criança”, ela diz.

Psicóloga de formação, Zenita é mestre em Orientação e Aconselhamento Psicológico pela Universidade South Florida e Ph.D. em Psicologia da Educação, pela Universidade da Flórida.

Para inspirar pais, educadores e professores que querem se instrumentalizar para lidar com o assunto, a entrevista está disponível online na íntegra. Assista e inspire-se:

*Com informações do Mapa da Infância Brasileira

Leia mais:

1 / 8
1
04:31
Ministro da Educação bate-boca com manifestantes no Pará
De férias com a família em Alter do Chão (PA), o Ministro da Educação, Abraham Weintraub, se envolveu em uma …
2
02:46
Contra o machismo, Sandy e Junior mudam o final de Maria Chiquinha
Durante uma apresentação em Fortaleza, no Ceará, o cantor Junior deu uma lição contra o machismo e mudou o final …
3
02:21
[ALERTA GATILHO] Jovem descobre estupro coletivo após imagens vazarem
Uma jovem de 22 anos de idade foi vítima de estupro coletivo na Região Serrana do Rio de Janeiro (RJ), …
4
02:14
[ALERTA GATILHO] Menina pede pra morrer após ser estuprada
Após ser estuprada pelo primo, de 32 anos, menina de 5 anos pede pra morrer. O caso aconteceu em Cubatão, …
5
02:17
Mulheres vítimas de violência estão mais expostas à morte por doenças
Um estudo inédito do Ministério da Saúde divulgado pelo jornal Folha de S. Paulo revela que mulheres expostas à situações …
6
03:46
‘Pretendo beneficiar um filho meu, sim’ diz Bolsonaro sobre embaixada
Em uma transmissão ao vivo pelas redes sociais, o presidente Jair Bolsonaro voltou a defender a nomeação de seu filho, …
7
03:15
Num ato de coragem, MBL pede desculpas publicamente
O jornalista Gilberto Dimenstein e a Catraca Livre já foram diversas vezes vítimas das milícias digitais do MBL com as …
8
03:04
O real motivo do ataque de Bolsonaro ao filme de Bruna Surfistinha
Jair Bolsonaro decidiu atacar o filme realizado por Deborah Secco sobre a ex-prostituta Bruna Surfistinha. Motivo oficial: o filme, usando …