Do Rio para Berklee: a história da violoncelista Kely Pinheiro

Nascida na comunidade da Grota, em Niterói, a musicista fez uma vaquinha na internet e conseguiu o dinheiro para realizar o sonho de estudar na faculdade

Por: Heloisa Aun
Crédito: Arquivo PessoalKely Pinheiro toca na Orquestra Camerata Laranjeiras

A música é como se fosse a minha vida, eu não faço outra coisa sem ser isso. Ela representa tudo pra mim: a maneira como eu vejo o mundo, a minha filosofia e os meus ideais. Quando eu estava na escola, me perguntavam: o que você faria se não fosse musicista? Eu não tinha a menor ideia de como responder isso”, afirma a violoncelista Kely Pinheiro, de 20 anos.

Nascida e criada na comunidade da Grota, em Niterói, Rio de Janeiro, Kely ganhou uma bolsa de estudos integral em uma das mais importantes escolas de música do mundo, a Berklee College of Music, em Boston, nos Estados Unidos. Em um primeiro momento, seu sonho parecia distante, pois o benefício não cobria os custos de moradia e alimentação. Mas, após uma vaquinha online, apoiada pela Catraca Livre, ela conseguiu o dinheiro necessário para o primeiro ano da faculdade e vai embarcar para o país já no final de agosto.

Crédito: Arquivo PessoalApós vaquinha online, a jovem embarca para a faculdade em agosto

Trajetória na música

A trajetória da carioca na música começou aos cinco anos de idade, no projeto Orquestra de Cordas da Grota. “Eu iniciei tocando flauta doce e depois aprendi outros instrumentos, como piano e violão. Mais ou menos aos 12 anos, comecei a tocar violoncelo. Uma das minhas primeiras professoras foi uma violoncelista norueguesa, que me apresentou ao instrumento”, relata. Na comunidade, Kely conheceu muitos músicos e professores da Europa, o que abriu portas para investir em sua carreira.

Após o projeto, ela tocou na Academia Juvenil da Orquestra Petrobras Sinfônica, na Orquestra de Câmara da Fatec, estudou no Conservatório de Niterói e faz licenciatura em música na Unirio, curso que terá que largar para se dedicar a Berklee. A jovem também atua há cinco anos na Camerata Laranjeiras, uma orquestra independente do Rio de Janeiro, fundada por uma alemã, um brasileiro e uma norueguesa.

“Tocando na Camerata Laranjeiras, nós viajamos para Alemanha, Noruega, Suécia, Holanda e também fizemos uma parceria com a Berklee, em que gravamos um material para a plataforma online deles”, conta. Foi a partir desse contato que Kely decidiu fazer a audição para estudar na faculdade norte-americana. A prova teve duas partes: uma primeira prática, em que o candidato tem que tocar e fazer uma série de testes de percepção musical e improvisação, e uma segunda etapa, na qual há uma entrevista em inglês com os professores responsáveis. Quando recebeu a notícia de que havia sido aceita na instituição, e ganhado a bolsa integral, a estudante não acreditou.

“Fiquei em choque. Foi uma felicidade muito grande para mim e para todas as pessoas que fazem parte da minha vida: minha família, amigos e professores. Foi uma conquista de todo mundo”, diz a musicista. Segundo a jovem, a maior dificuldade que enfrentou ao longo da carreira foi conciliar o estudo com o trabalho. “É preciso equilibrar e não deixar a necessidade de se manter financeiramente atrapalhar os estudos.”

No violoncelo, Kely se mostra bastante eclética: toca desde músicas clássicas, até Beatles, Alcione e outros estilos musicais. “No dia a dia, eu ouço muito canto gregoriano. Não, estou brincando. Eu gosto muito de rock, principalmente indie, Beyoncé, Katy Perry, entre outros artistas. Eu sou aberta a conhecer qualquer tipo de música porque toco de tudo no instrumento, então preciso de uma linguagem mais abrangente. Isso aproxima as pessoas da música clássica”, explica.

Para outras crianças e adolescentes que sonham em ser musicistas, Kely dá um recado sobre sua experiência. “A perseverança e a disciplina nos estudos são muito importantes. Por mais que às vezes pareça muito difícil, se você pensar dia após dia, dar o seu melhor nas pequenas coisas acaba te levando para um caminho que faz você conseguir o que antes era impossível.”

Arquivo Pessoal
Arquivo Pessoal
Arquivo Pessoal
Arquivo Pessoal

Como ajudar a Kely

“Meu maior sonho é terminar o curso na Berklee e voltar para o Brasil com o objetivo de retribuir toda a ajuda que eu tive”, afirma Kely Pinheiro.

A campanha de financiamento coletivo para custear a vida da violoncelista nos Estados Unidos bateu a meta e arrecadou mais de 100 mil reais, valor suficiente para o primeiro dos quatro anos da faculdade.

Para fazer uma doação à estudante, clique neste link.

Assista ao vídeo abaixo:

Por: Heloisa Aun

Repórter de Cidadania na Catraca Livre. ("nossas costas / contam histórias / que a lombada / de nenhum livro / pode carregar" - Rupi Kaur)

1
A queda: entenda a polêmica que custou o cargo de Roberto Alvim
Após praticamente reproduzir um discurso do ministro nazista Joseph Goebbels, o ex-secretário de Cultura, Roberto Alvim, protagonizou uma polêmica que …
2
Impunidade de Victor não é caso isolado no Brasil de Bolsonaro
Victor Chavez, cantor sertanejo da extinta dupla Victor e Léo, foi condenado por agredir a esposa grávida de quatro meses …
3
Anarquia da ponte pra lá: a história do punk na periferia de SP
Autor do livro My Way, Valo Velho é história viva da cena anarcopunk de São Paulo. A Catraca Livre foi até …
4
Backer: entenda o caso das cervejas contaminadas
O Ministério da Agricultura suspendeu a venda de cervejas da marcar Backer e determinou que a empresa faça um recall …
5
O que é liberdade de expressão?
O que é liberdade de expressão? Entenda o significado e a importância desse direito tão importante para todos nós neste …
6
Entenda o acordo nuclear que envolve EUA x Irã
Errata: ao contrário do que aparece no vídeo, o nome do especialista entrevistado é Lucas Leite e não Felipe. O …
7
Depois de ataque e perseguição, Porta dos Fundos é alvo de censura
A Justiça do Rio de Janeiro resolveu mandar retirar do ar “A Primeira Tentação de Cristo”, um Especial de Natal …
8
“Imprecionante”: ministro Weintraub comete novo erro de português
O ministro da Educação, Abraham Weintraub, escorregou de novo na língua portuguesa e a internet não deixou passar. Ao agradecer um …