Informar

Senhor de 83 anos vende strudels em SP para pagar convênio médico

Que tal provar esse doce e ainda ajudá-lo?

Por: Heloisa Aun | Comunicar erro
Dorival vende os strudels em São Paulo

Um post no Twitter conquistou o coração das pessoas ao contar a história de um senhor de 83 anos, morador de São Paulo, que está vendendo strudels — um doce folhado típico da Hungria — para pagar seu convênio médico. O prato está disponível em diferentes tamanhos (45 x 10cm e 23 X 10 cm) e em dois sabores: maçã ou banana, ambos com canela e passas.

Em entrevista ao Catraca Livre, Dorival Bentivegna afirmou que ele decidiu começar a cozinhar e vender a sobremesa após sua filha Maristela ser demitida do banco em que trabalhava. “Era ela quem pagava o convênio médico“, relata.

O strudel é um doce folhado típico da Hungria
O strudel é um doce folhado típico da Hungria
O strudel é um doce folhado típico da Hungria
O strudel é um doce folhado típico da Hungria

O mais novo empreendedor aprendeu a fazer os strudels quando trabalhava em uma loja de importados, que já encerrou suas atividades. Mas Dorival sempre gostou de cozinhar. “Eu faço também lanches, torta salgada, assados e diversas outras coisas”, diz.

Além dos strudels, Dorival e Maristela vendem cannoli, um doce de origem italiana. O kit com 12 unidades e 2 recheios está R$ 70. No caso dos avulsos, o preço varia de R$ 7 a R$ 8 e o mínimo para a compra são 6 unidades.

Crédito: Arquivo Pessoal
Crédito: Arquivo Pessoal
Crédito: Arquivo Pessoal

Quer provar os doces e ainda ajudar a família? Eles são vendidos aos domingos na feira da Praça da República (em frente ao banco Santander), região central de São Paulo, ou pelo WhatsApp. A retirada deve ser feita no Butantã. Para mais informações, envie uma mensagem para Maristela: (11) 99571-9128.

Veja a publicação:

SUS oferece 10 novos tratamentos terapêuticos alternativos

Compartilhe:

Autor: Heloisa Aun

Feminista, vegetariana e repórter de Cidadania no Catraca Livre. ("nossas costas / contam histórias / que a lombada / de nenhum livro / pode carregar" - Rupi Kaur)