Blogueira acusa escritor best-seller Fred Elboni de agressão

Suzanne Riediger disse que o ex tentou joga-la do 10º andar do prédio

Por: Redação

Suzanne Riediger entrou para a lista de vítimas de violência que desabafou nas redes sociais. A blogueira publicou em seu perfil no Instagram, na noite da última terça-feira, 30, que o ex-namorado, o escritor Fred Elboni, teria a agredido na época em que eles estavam juntos. A moça afirmou que ele quase teria a jogado da janela do 10º andar do prédio onde estavam.

Suzanne Riediger e Fred Elboni
Crédito: Reprodução/Instagram Suzanne Riediger disse que foi agredida por Fred Elboni quando ele estava bêbado

“Diariamente eu colho muitos frutos por ter sido agredida… você não imagina! Não seja a mulher que luta contra uma causa em que as mulheres estão lutando por você também. Se eu estou contando o meu sofrimento é para não querer que você um dia precise viver isso. Eu nunca falei o seu nome, Fred Elboni, mas agora que você se pronunciou e mentiu, infelizmente vou ter que te responder. Me desculpem ter que decepciona-las. E pode me chamar pelo nome, Suzanne. Não sou só sua ex-namorada. Eu tenho nome”, iniciou ela.

Para quem não sabe, em outubro de 2019, Suzanne publicou um vídeo contando os detalhes da agressão, mas não revelou o nome do agressor. Na época, ela descreveu que Fred estava dormindo quando a acordou com chutes e pontapés.

“Era Carnaval, fomos a uma festa e ‘essa pessoa’ tinha o costume de beber mais do que deveria e assim o fez. Voltamos para o apartamento, deitei do lado para dormir e, do nada, ele acordou me chutando para fora da cama, demorei para acordar tentando entender o que estava acontecendo e saí correndo do quarto, fui para a sala, ele me pegava, até que eu consegui ir para o banheiro, tentei me trancar ali, mas ele me puxou, deixou meus braços machucados e tinha o objetivo de me jogar da janela. Era isso que ele queria fazer”, narrou.

“Inevitavelmente você se sente culpada e se pergunta ‘o que eu fiz?’. Nunca existe motivo para agressão física. No outro dia voltamos para a nossa cidade, acredito que ele tenha voltado à realidade e isso tudo foi muito complicado. Fomos fazer terapia para tentar entender e o psicólogo disse que ‘ele estava muito estressado, bebeu, algo ativou no cérebro e precisava descontar em algo. A Suh estava ali do seu lado'”, completou.

Assim que soube das acusações, Fred também gravou um vídeo se defendendo e garantindo que não agrediu Suzanne.

“Ela fala que eu tinha apertado o braço dela durante a noite, chacoalhado e eu fiquei assustado porque eu não lembrava, como qualquer pessoa ficaria. (…) Demorei muito para voltar a tocar nela e o que me traz muita paz é que nós conversamos muito, ela me olhava nos olhos e dizia que ‘eu sei que não aconteceu nada, já tive agressões no passado e sei que foi durante a noite, sem vontade de fazer aquilo’. Voltei a sentir paz comigo de novo. (…) Ficamos por mais um ano e meio juntos ainda, viajando, ficando juntos e todo mundo viu o quanto nossa alegria era genuína”, disse.

O escritor pediu desculpas, mas disse que em nenhum momento a ex mencionou o fato de ele ter tentado joga-la da janela do prédio.

“Resolvi terminar o relacionamento no começo de agosto de 2019, sempre conversávamos sobre isso e o término foi normal. Peguei um avião até Santa Catarina (eu morava em São Paulo) e fui até o sul para resolver essa história. Me despedi dos pais dela porque eu queria viver mais minha vida em São Paulo e ela queria estar no sul com as filhas dela. Isso sempre foi conversado durante esse ano. Ao voltar para a capital paulista, fui fazer minhas coisas e, dois meses após o término, ela postou o vídeo dizendo que eu tentei jogá-la do 10º andar. A questão é que isso nunca foi falado enquanto estávamos no psicólogo, tenho provas disso e [ter apertado o braço dela] nunca foi uma dúvida, mas um fato. Foi uma surpresa [saber sobre jogar da janela]! ‘Eu estava com uma imagem [na cabeça] de que tinha apertado o braço dela, mas agora tentei te jogar do prédio! Mas você não falou isso comigo. O que aconteceu?’ Acaba se criando uma imagem de algo que não aconteceu. Agora a história mudou e fica difícil de entender”, argumentou.

Por fim, Fred disse que se lembra perfeitamente de como os dois conversaram sobre o assunto: “Repito: te peço desculpas. Eu achei que era algo que tínhamos resolvidos juntos e algo tão íntimo que, quando aberto ao público, abrimos para várias interpretações diferentes. Pessoas começaram a me atacar com coisas que não são reais e o que era uma situção ‘x’ acaba virando algo maior […]”.

Assista aos relatos completos abaixo:

Tipos de violência contra a mulher:

1. Violência Física
Causa danos ao corpo da vítima, os danos podem ser causados através de socos, tapas, chutes, amarrações, etc. Em 2006 foi criada a Lei Maria da Penha que tem o propósito de diminuir a violência doméstica e familiar contra a mulher. São registradas mais de 50 ligações por dia, mas é de conhecimento que o número de casos de violência física contra a mulher é muito maior e que muitas acabam não denunciando seus agressores por medo e por vergonha.

2. Violência Psicológica

Continue lendo aqui: Violência contra a mulher: conheça os tipos e como denunciar

Campanha #ElaNãoPediu

Nenhuma mulher “pede” para apanhar. A culpa nunca é da vítima. A campanha #ElaNãoPediu, da Catraca Livre, tem como objetivo fortalecer o enfrentamento da violência doméstica no Brasil, por meio de conteúdos e também ao facilitar o acesso à rede de apoio existente, potencializando iniciativas reconhecidas.