CPM22 afasta baterista Japinha após conversa com menor

Banda disse que não compactua com atitudes desrespeitosas

Por: Redação

A banda CPM22 anunciou o afastamento de Ricardo Japinha, nesta quarta-feira, 10, depois que veio à tona uma conversa antiga do músico com uma menor de idade.

ricardo japinha
Crédito: Reprodução/Instagram Ricardo Japinha, baterista do CMP 22, foi afastado

“Após os últimos acontecimentos, decidimos pelo afastamento do nosso baterista, Ricardo Japinha, reafirmando nossa posição de não compactuar com atitudes desrespeitosas com quem quer que seja. A banda continua”, diz o comunicado do grupo.

A polêmica começou depois que prints de um papo de Japinha com uma fã, em 2012, vazaram no perfil do Twitter intitulado de Exposed Emo. Na época, ele tinha 38 anos, enquanto a jovem tinha 16. Japinha perguntou se ela “já fez amor” e faz alguns elogios a ela.

Antes do anúncio do afastamento de Ricardo, o grupo publicou no Twitter que os integrantes haviam sido “surpreendidos com as postagens sobre o comportamento de um integrante”, mas o nome de Japinha ainda não havia sido mencionado.

O baterista confirmou que as imagens do diálogo divulgadas no Twitter são verdadeiras, porém, afirmou que eram “brincadeiras” e sem “intenção de seduzir”.

PC SIQUEIRA

A mesma conta que expôs a denúncia contra Japinha também expôs uma suposta conversa online em que o youtuber PC Siqueira teria recebido a foto de uma criança de 6 anos, sem roupa, e teria gostado disso. O assunto viralizou nas redes sociais, e rapidamente entrou nos trending topics do Twitter. O caso veio à tona na noite desta quarta-feira, 10. Confira mais aqui.

O também youtuber Felipe Neto foi bastante cobrado nas redes sociais de comentar a denúncia contra PC Siqueira. Neto manifestou-se e causou grande polêmica. Confira.

Como denunciar casos de abuso infantil e como orientar a criança

Diariamente, crianças e adolescentes são expostos à violência sexual. Até abril de 2019, o Disque 100 recebeu mais de 4 mil denúncias de abuso infantil em todo o Brasil, mas sabemos que esses dados não estão nem perto da realidade, uma vez que ainda é difícil ter estatísticas que realmente abranjam o problema de forma real.

Tipos de abuso infantil

É importante lembrar que abuso sexual, violência sexual e pedofilia são coisas distintas.  Segundo o Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual Contra Crianças e Adolescentes:

Pedofilia: Diz respeito aos transtornos de personalidade causados pela preferência sexual por crianças e adolescentes. O pedófilo não necessariamente pratica o ato de abusar sexualmente de meninos ou meninas.

Violência Sexual: A violência sexual praticada contra crianças e adolescentes é uma violação dos direitos sexuais porque abusa e/ou explora do corpo e da sexualidade de garotas e garotos. Ela pode ocorrer de duas formas: abuso sexual e exploração sexual (turismo sexual, pornografia, tráfico e prostituição).

Abuso sexual: Nem todo pedófilo é abusador, nem todo abusador é pedófilo. Abusador é quem comete a violência sexual, independentemente de qualquer transtorno de personalidade, se aproveitando da relação familiar (pais, padrastos, primos, etc.), de proximidade social (vizinhos, professores, religiosos etc.), ou da vantagem etária e econômica.

Exploração sexual: É a forma de crime sexual contra crianças e adolescentes conseguido por meio de pagamento ou troca. A exploração sexual pode envolver, além do próprio agressor, o aliciador, intermediário que se beneficia comercialmente do abuso. A exploração sexual pode acontecer de quatro formas: em redes de prostituição, de tráfico de pessoas, pornografia e turismo sexual.

Como denunciar
Há algumas formas de denunciar casos de violência sexual a menores de idade:

Disque 100
Como nos casos de racismo, homofobia e outras violações de direitos humanos, qualquer cidadão pode fazer uma denúncia anônima sobre casos abuso infantil pelo Disque 100. A denúncia será analisada e encaminhada aos órgãos de proteção, defesa e responsabilização em direitos humanos, respeitando as competências de cada órgão.

Aplicativo Proteja Brasil
Depois de instalar o aplicativo gratuito em seu celular, o usuário rapidinho, respondendo um formulário simples, registra a denúncia, a qual será recebida pela mesma central de atendimento do Disque 100. Se quiser acompanhar a denúncia, basta ligar para o Disque 100 e fornecer dados da denúncia.

Ouvidoria Online

O usuário preenche o formulário disponível aqui e registra a denúncia, a qual também será recebida pela mesma central de atendimento do Disque 100. Se quiser acompanhar a denúncia, basta ligar para o Disque 100 e fornecer dados da denúncia.

Saiba mais sobre como denunciar casos de abuso infantil  no  link.

Compartilhe: