CORONAVÍRUS
Tudo o que você precisa saberÚltimas notícias e tudo que você precisa saber

Jornalista da Globo critica ao vivo contratação do goleiro Bruno

O goleiro está perto de acertar com time de futebol baiano

Por: Redação

Durante apresentação do Bahia Meio Dia, programa da TV Bahia, afiliada da Globo no estado, a jornalista Jéssica Senra criticou, nesta terça-feira, 7, a possível contratação do goleiro Bruno pelo time Fluminense de Feira, para disputar o Campeonato Baiano em 2020.

jornalista globo goleiro bruno
Crédito: Reprodução/TVBahiaJornalista da Globo critica ao vivo contratação do goleiro Bruno

A jornalista chamou o público para reflexão. Ela repudiou o feminicídio e ainda se disse a favor da ressocialização do atleta, mas questionou se a sociedade deveria alavancá-lo novamente à posição de ídolo.

“Desejamos e precisamos que pessoas que cometem crimes tenham a possibilidade de refazer suas vidas, mas diante de um crime tão bárbaro, tão cruel, poderíamos tolerar que o feminicida Bruno voltasse à posição de ídolo? Que mensagem mandaríamos à sociedade? Atletas são referências. Contratar para um time de futebol um assassino, um homem que mandou matar a mãe do seu filho, esquartejar, dar o corpo para os cachorros comerem é um desrespeito. É um desrespeito a nós mulheres”, afirmou Jéssica.

A jornalista da Globo ainda compartilhou o vídeo da reportagem em seu perfil do Instagram e se posicionou novamente sobre o tema.

“Por que sou contra a contratação de um feminicida no esporte. Eu acredito na recuperação do ser humano. Acredito que a maioria das pessoas merece outras chances depois que comete erros, porque errar é da essência humana. O perdão é um dos sentimentos mais belos que podemos cultivar. Mas perdoar alguém não significa esquecer o que esse alguém fez nem permitir que esse alguém continue em nossa vida. Perdoar e dar uma nova chance não apaga o que foi feito, não se pode fingir que nada aconteceu. Embora juridicamente o cumprimento de uma pena libera o condenado para seguir sua vida normalmente, é socialmente que precisamos pensar no que toleramos ou não. Nem tudo é apenas questão de lei. Há comportamentos legais que são imorais. Um condenado pode e deve ser ressocializado. Deve merecer uma segunda chance. Mas penso que, depois de um crime tão perverso, voltar a ser ídolo, a estar numa posição que lhe confere status de ídolo, é bastante questionável”, disse a Jéssica.

“Penso que o feminicida deve voltar ao trabalho, mas não no futebol, não como ídolo. Defendo sua ressocialização, mas longe de qualquer torcida. E isso não é a lei que vai decidir. É a sociedade. E se ele tivesse estuprado um bebê? O que os “fãs” diriam? Lembro que há pouco mais de dois anos, jogadores foram flagrados num vídeo masturbando uns aos outros no vestiário de um clube gaúcho. Os quatro jogadores foram dispensados. Seus nomes, inclusive, foram poupados para evitar que eles fossem banidos do futebol. E é bom que fique bem claro: eles não cometeram crime algum, não fizeram nada contra a vontade de ninguém! Mas, absurdamente, a homossexualidade ainda é intolerável no futebol. Ser feminicida é aceitável? O que você pensa disso?”, concluiu a jornalista da afiliada da Globo na Bahia.

Em 2013, Bruno foi condenado há 20 anos e 9 meses pelo homicídio triplamente qualificado de Eliza Samudio e pelo sequestro e cárcere privado do filho Bruninho, em 2010.  Até hoje o corpo não foi encontrado.  O ex-goleiro do Flamengo está no regime semiaberto desde julho de 2019.

Assista:

View this post on Instagram

Eu acredito na recuperação do ser humano. Acredito que a maioria das pessoas merece outras chances depois que comete erros, porque errar é da essência humana. O perdão é um dos sentimentos mais belos que podemos cultivar. Mas perdoar alguém não significa esquecer o que esse alguém fez nem permitir que esse alguém continue em nossa vida. Perdoar e dar uma nova chance não apaga o que foi feito, não se pode fingir que nada aconteceu. Embora juridicamente o cumprimento de uma pena libera o condenado para seguir sua vida normalmente, é socialmente que precisamos pensar no que toleramos ou não. Nem tudo é apenas questão de lei. Há comportamentos legais que são imorais. Um condenado pode e deve ser ressocializado. Deve merecer uma segunda chance. Mas penso que, depois de um crime tão perverso, voltar a ser ídolo, a estar numa posição que lhe confere status de ídolo, é bastante questionável. Penso que o feminicida deve voltar ao trabalho, mas não no futebol, não como ídolo. Defendo sua ressocialização, mas longe de qualquer torcida. E isso não é a lei que vai decidir. É a sociedade. E se ele tivesse estuprado um bebê? O que os “fãs” diriam? Lembro que há pouco mais de dois anos, jogadores foram flagrados num vídeo masturbando uns aos outros no vestiário de um clube gaúcho. Os quatro jogadores foram dispensados. Seus nomes, inclusive, foram poupados para evitar que eles fossem banidos do futebol. E é bom que fique bem claro: eles não cometeram crime algum, não fizeram nada contra a vontade de ninguém! Mas, absurdamente, a homossexualidade ainda é intolerável no futebol. Ser feminicida é aceitável? O que você pensa disso? #NãoAoFeminicídio

A post shared by Jessica Senra (@jessicasenra) on

1
Guia Negro entrevista Fabrício Boliveira: ‘A presença de negros na TV ainda é uma batalha’
O ator Fabrício Boliveira afirma que a presença de pessoas negras na televisão ainda é muito pequena e que o …
2
5 séries na Amazon e Netflix perfeitas para você maratonar com o mozão
Está cansado de acompanhar essa avalanche de notícias sobre o coronavírus? Então, separa aquele baldão de pipoca e aquela coberta …
3
Aprenda a fazer uma videochamada no WhatsApp
O distanciamento social que parte da população está fazendo as pessoas conversarem cada vez mais pelo celular. Chega mais que …
4
Jogos Olímpicos de Tóquio são adiados por conta do coronavírus
Os Jogos Olímpicos de Tóquio foram adiados por conta da pandemia de coronavírus. A decisão foi anunciada nesta terça-feira, 24, …
5
Coronavírus: serviços disponíveis para melhorar seus dias em casa
As TVs por assinatura e os serviços de streaming flexibilizaram seus pacotes e ampliaram a programação disponível para jovens, crianças …
6
Babu no BBB20: Precisamos falar sobre racismo
Os inúmeros episódios de racismo sofridos por Babu no BBB 20 estão dando o que falar. Segue com a gente …
7
Ronaldinho Gaúcho e a polêmica do passaporte falso no Paraguai
Dizer que Ronaldinho Gaúcho é o rei do rolê aleatório gera um total de zero novidades. Mas o bruxo resolveu …
8
Assédio de Pyong ganha destaque em paredão com Guilherme e Gizelly
Não faltou polêmica no paredão entre Guilherme, Pyong e Gizelly no Big Brother Brasil 20.Isso porque o paredão desta terça-feira, …