Olhar o celular, mesmo que rapidamente, enquanto espera para atravessar a rua pode causar sérios riscos de acidentes. Para chamar atenção sobre este problema, Dona Vilma, de 82 anos, participou de uma ação inspiradora em Pelotas, no Rio Grande do Sul.

Na iniciativa, criada pela "Biscoitos Zezé", a senhora foi para um dos semáforos da cidade e agiu como uma guia para os pedestres mais jovens e desatentos, que usavam seus smartphones, conduzindo todos com segurança de um lado até o outro da faixa.

"A mensagem da campanha veio carregada de experiência de vida e, por esse motivo, era melhor aceita entre as pessoas. A empatia da Dona Vilma também contou muito para a reflexão", afirma Thomaz Ballverdú, um dos idealizadores da ideia, ao Catraca Livre.

1/5

Crédito da imagem: Reprodução / Guia de Pedestre

2/5

Crédito da imagem: Reprodução / Guia de Pedestre

3/5

Crédito da imagem: Reprodução / Guia de Pedestre

4/5

Crédito da imagem: Reprodução / Guia de Pedestre

5/5

Crédito da imagem: Reprodução / Guia de Pedestre

  • Crédito da imagem: Reprodução / Guia de Pedestre

    1/5

  • Crédito da imagem: Reprodução / Guia de Pedestre

    2/5

  • Crédito da imagem: Reprodução / Guia de Pedestre

    3/5

  • Crédito da imagem: Reprodução / Guia de Pedestre

    4/5

  • Crédito da imagem: Reprodução / Guia de Pedestre

    5/5

De acordo com Ballverdú, Dona Vilma representa um grande exemplo de vitalidade e participa de diversos grupos da terceira idade. "Durante a gravação, ela ficou impressionada com a quantidade de jovens grudados nos smartphones enquanto andavam e atravessavam a rua", ressalta.

A recepção da ação foi bastante positiva na cidade. "Alguns não entendiam no inicio, perguntando se era Dona Vilma que queria ajuda, mas em seguida ela explicava: 'Eu que vou te cuidar, por causa do celular'. No final, todos concordaram em prestar mais atenção na faixa e seguir os conselhos de quem é mais experiente", finaliza.

Assista ao vídeo abaixo:

  • Leia mais:

SP: multas por uso de celular ao volante aumentam 43% em 5 anos