EUA aprovam remdesivir como primeiro tratamento contra covid-19

Apesar da aprovação, pesquisa da OMS concluiu que remédio não é capaz de prevenir mortes causadas pelo novo coronavírus

Por: Redação
Ouça este conteúdo

A agência reguladora de medicamentos dos Estados Unidos (FDA) aprovou o uso do antiviral remdesivir no tratamento de pacientes hospitalizados com covid-19.

A medida permite que o medicamento seja dado a adultos e crianças a partir de 12 anos e pesando mais de 40 quilos. A droga e só poderá ser administrada por via injetável em ambiente hospitalar. Portanto, as pessoas não terão acesso ao remédio na farmácia.

remevisir
Crédito: Digicomphoto/istockEUA aprovam remdesivir como primeiro tratamento contra a covid-19

O antiviral já tinha recebido autorização para uso emergencial do FDA em maio, depois que um estudo indicou que ele reduziu o tempo de recuperação de pacientes hospitalizados.

O remédio chegou a fazer parte do tratamento do presidente Donald Trump quando ele foi diagnosticado com a covid-19.

Apesar do uso nos EUA e em países da Europa, um estudo da Organização Mundial da Saúde (OMS) com mais de 11 mil pessoas concluiu que o medicamento não é eficaz contra a doença causada pelo novo coronavírus. O ensaio mostrou que a droga não foi capaz de prevenir mortes em pacientes com covid-19 e teve pouco ou nenhum papel na redução do tempo de internação.

Jornais norte-americanos destacam que a aprovação do remdesivir veio a menos de duas semanas das eleições presidenciais nos Estados Unidos, indicando que a medida pode ter carácter político, já que Trump havia prometido a cura contra a covid-19.

O remdesivir foi originalmente desenvolvido pela biofarmacêutica Gilead Sciences para tratar o ebola, mas se mostrou ineficaz para essa doença.