Ginecologista esclarece 9 dúvidas comuns sobre fertilidade

Desvendamos o que ajuda e atrapalha a gravidez

Por: Redação

Os tratamentos de fertilidade ainda carregam muitas lendas e dúvidas, algumas totalmente sem fundamento científico. Selecionamos as mais comuns e pedimos para o ginecologista Pedro Monteleone, especialista em fertilidade, esclarecê-las. Confira abaixo:

1 – Quem faz fertilização in vitro terá gêmeos ou múltiplos

Nem sempre

A alta incidência de gravidezes múltiplas acontece porque existe a ideia de que se implantados mais embriões, maior a chance do tratamento dar certo. Hoje, aproximadamente 30% de gravidezes por fertilização in vitro (FIV) no Brasil têm como resultado de gêmeos a quíntuplos. Para reduzir esse alto número alto, a solução adotada é a implantação de um número menor de embriões.

gêmeos recém-nascidos
Crédito: Viorika/istockA chance de ter gravidez múltipla eleva conforme aumenta o número de embriões

2 – Quem toma anticoncepcional muito tempo tem mais dificuldade para engravidar 

Falso

Segundo o ginecologista Pedro Monteleone, não há risco relacionado à diminuição da fertilidade ao tomar anticoncepcional por muito tempo. “Quando a pessoa para de utilizar o método contraceptivo, o ovário volta normalmente ao seu trabalho, em até dois meses”, afirma. “Mesmo quando a mulher começa cedo a vida sexual, ingerindo anticoncepcionais ou utilizando hormônios para prevenir a gravidez, a taxa de fertilidade dela não é afetada”.

3 – Os homens que fizeram vasectomia não podem mais ter filhos

 Falso

A vasectomia é um procedimento que interrompe o “caminho” dos espermatozoides produzidos pelos testículos e conduzidos através do epidídimo para os canais deferentes, mas o homem não deixa de produzir espermatozoides. Então, mesmo depois de ter feito uma vasectomia, por meio de uma extração testicular de espermatozoides ou pela reversão da vasectomia, é possível que o homem seja pai novamente.

4 – É possível preservar fertilidade em qualquer paciente com câncer 

Verdadeiro

Segundo Monteleone, desde que esteja em idade fértil, é possível congelar os gametas do paciente com câncer antes de se iniciar o tratamento oncológico, que pode, sim, levar à infertilidade. Assim, após o término do tratamento de câncer, existirá a possibilidade de ser feito um procedimento para a fertilização dos gametas. É importante salientar que, após uma única sessão de quimioterapia, a fertilidade já sofre impacto.

calendário

5 – Existe apenas um dia certo por mês em que é possível a mulher engravidar

Falso

Monteleone explica que, na verdade, são cinco dias: o dia da ovulação, mais os dois dias que a antecedem e os dois outros que a seguem.

6 – Mulheres acima dos 35 anos são menos férteis

Verdadeiro

Segundo o especialista, o declínio da função reprodutiva se inicia aos 35 anos intensificando-se aos 40 anos. “A mulher nasce com toda população de folículos primordiais nos ovários. A cada ciclo menstrual, alguns folículos são recrutados e um deles se desenvolve e cresce, até a ovulação. Isso, todos os meses da vida fértil. O impacto dos anos na capacidade reprodutiva é marcante, tanto por fenômenos fisiológicos como pelo acúmulo de fatores adquiridos, como inflamações,  infecções, endométrio, entre outros”, afirma.

7 – Mulheres com mais de 45 anos podem engravidar

Falso

A chance de gravidez a partir dos 45 anos é muito baixa. Nesses casos, a melhor alternativa para o tratamento é a utilização de óvulo doado.

8 – Hormônios usados no tratamento de reprodução assistida aumentam o risco da paciente desenvolver vários tipos de câncer

Falso

“Não existe nenhum estudo que mostra qualquer relação entre a incidência de câncer, trombose ou infarto, e as mulheres que realizaram fertilização”, garante o especialista.

9 – A seleção genética é indicada para afastar as doenças hereditárias fatais

Verdadeiro

Doenças como fibrose cística e esclerose tuberosa, por exemplo, comprometem o desenvolvimento dos filhos e os casais com histórico familiar dessas doenças podem fazer o diagnóstico pré-implantacional para selecionar o embrião que não carregue os genes afetados a fim de transferi-los ao útero materno, afirma Monteleone.

Compartilhe:

1
Coronavírus: doença pode se tornar uma epidemia no Brasil?
Desde os primeiros rumores do surto de coronavírus na cidade de Wuhan, na China, em dezembro, uma enxurrada de informações …
2
Brasil registra primeira suspeita de coronavírus
Em nota, a Secretária de Saúde do Estado de Minas Gerais confirmou a primeira suspeita de coronavírus, doença misteriosa que …
3
Doença desconhecida preocupa médicos e autoridades na China
Uma pneumonia viral e com causas desconhecidas tem despertado a atenção de médicos, especialistas e autoridades na cidade Wuhan, região …
4
Fone de ouvido: o que ele pode causar na sua audição
Segundo informações da Organização Mundial da Saúde (OMS), quase 50% da população entre 12 e 35 anos corre o risco …
5
Câncer de próstata: saiba o que é e como se prevenir da doença
O câncer de próstata é o segundo tipo de tumor mais comum entre os brasileiros. De acordo com informações do …
6
03:38
Cuidados e prevenções para a saúde das mulheres
Dores menstruais parecem típicas, mas podem ser um sinal de endometriose.Hoje, a Dra. Luiza Cadioli, médica de família e comunidade, …
7
02:37
Saiba quais são os sintomas do Transtorno bipolar
O transtorno bipolar vai além das variações de humores.Hoje, o Dr. Jair de Jesus Mari, psiquiatra e professor da Unifesp, …
8
01:40
O que é a Fibromialgia e quais os sintomas?
Você já sentiu dores intensas em algumas partes do corpo?Hoje, a Dra. Luiza Cadioli, médica de família e comunidade, fala …