Remédio com poucos efeitos colaterais é a aposta contra insônia

Estudo aponta que fármaco tem eficácia comparável com outros medicamentos mais comumente utilizados

Por: Redação

Um estudo japonês testou a eficácia de um remédio chamado Suvorexant, que tem sido considerado a arma mais potente e segura contra a insônia. A pílula para dormir, que já havia sido testada anteriormente e aprovada em alguns países, demonstrou ter pouquíssimos efeitos colaterais.

Diferentemente dos outros medicamentos dessa classe, o Suvorexant não prejudica o paciente física ou cognitivamente enquanto está agindo no organismo. Ele apenas inibe o sistema de estado de vigília, sem afetar outras áreas do cérebro, de acordo com os cientistas.

homem dormindo ao lado de despertador
Crédito: Yanyong/istockRemédio para insônia apresentou poucos efeitos colaterais em teste com voluntários

Outros fármacos usados no tratamento dos insones geram preocupação porque podem prejudicar a capacidade normal de respostas a estímulos inesperados durante o sono. Isso poderia representar um problema sério em situações urgentes em que é necessário que a pessoa desperte no meio da noite. “Uma droga que atue especificamente nos receptores cerebrais envolvidos na vigília, e não no cérebro inteiro, poderia evitar isso”, explica Jaehoon Seol, um dos autores do estudo.

Teste em voluntários

Para testar a eficácia do medicamento, os cientistas trabalharam com 30 voluntários saudáveis ​​do sexo masculino, que foram divididos em três grupos. O primeiro foi tratado com Suvorexant, o segundo testou Brotizolam e o terceiro tomou placebo.

As pílulas eram tomadas 15 minutos antes dos voluntários irem dormir e, após 90 minutos de sono, eles eram despertados. Testes de função física e cognitiva foram realizados antes de serem medicados, após o despertar forçado e na manhã seguinte.

pílulas no potinho

No resultado dos testes, os cientistas observaram que o Suvorexant causou menos prejuízos no equilíbrio corporal ao acordar em comparação com o Brotizolam, por exemplo.

Além disso, de acordo com pesquisadores, o fármaco em questão foi tão eficaz quanto o Brotizolam no tratamento da insônia, com efeitos comparáveis ​​na duração e qualidade do sono. O resultado do estudo foi publicado na revista Proceedings of the National Academy  of Sciences (PNAS).

Compartilhe: