Sedentarismo pode influenciar 3 em cada 100 mortes no país

Estilo de vida sedentário aumenta as chances de doenças físicas e mentais, apontam estudos

Por: Redação | Comunicar erro
grupo de pessoas na praia
Crédito: FG Trade/istockFalta de atividade física é considerada o quarto maior fator de risco de mortes

A falta de atividade física pode influenciar três em cada 100 mortes no país, segundo um alerta feito pelo Ministério da Saúde. Dados do Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM), da pasta, apontam que – em 2017 – dos 1,3 milhões de óbitos, 34.273 mil estão relacionados a doenças ligadas ao sedentarismo, como hipertensão, diabetes e problemas cardiovasculares.

De acordo com a  Organização Mundial da Saúde (OMS), a falta de atividade física é considerada o quarto maior fator de risco de mortes no mundo. Essa afirmação é suportada por vários estudos. Um deles observou, por exemplo, que os pacientes que passam mais horas sentados por longos períodos sem se levantar são duas vezes mais propensos a morrer por qualquer causa do que aqueles que ficam sentados em intervalos mais curtos.

Ouro estudo com 10.381 participantes associou um estilo de vida sedentário e falta de atividade física com maior risco de desenvolver um transtorno de saúde mental. Uma revisão ainda incluiu dados de 110.152 participantes e encontrou uma ligação entre o comportamento sedentário e um risco aumentado de depressão.

senhor se exercitando
Crédito: FatCamera/istockOMS recomenda 150 minutos de atividades físicas

Por outro lado, a prática de exercícios físicos regular traz benefícios difíceis de ignorar. Além de prevenir as doenças ligadas ao excesso de peso, alivia o estresse, melhora a qualidade do sono e preserva a saúde óssea.

Dos 18 aos 64 anos, a OMS recomenda pelo menos 150 minutos de atividade física aeróbica de intensidade moderada durante a semana ou pelo menos 75 minutos de atividade física aeróbica intensa ou uma combinação equivalente de atividade de intensidade moderada e vigorosa.

Confira aqui o tipo de atividade recomendada para cada faixa etária.

Compartilhe:

1 / 8
1
02:37
A primeira vez no ginecologista
A Dra. Marianne Pinotti, ginecologista e obstetra fala sobre a primeira consulta no ginecologista. Tem um momento exato para a primeira …
2
03:53
Decisão da Anvisa deve liberar a maconha medicinal no país
A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou duas propostas que podem liberar a maconha para fins medicinais e científicos …
3
02:51
O que é o projeto Cuide-se
Em parceria com a ONG Horas da Vida, o Catraca Livre produz vídeos com especialistas para dar dicas de saúde. No …
4
02:18
Vacina contra a gripe é liberada para toda a população
O Ministério da Saúde estendeu a campanha de vacinação contra a gripe para toda a população enquanto durarem estoques dos …
5
05:00
Quais os sintomas que a maconha pode trazer?
Dr. Jair de Jesus Mari, professor titular de psiquiatria da UNIFESP , fala sobre os sintomas que o uso de …
6
03:19
Natureza contra a depressão
A depressão é uma das doenças mais comuns do mundo moderno em grandes cidades e a falta de contato com …
7
02:42
Reconheça facilmente os níveis da depressão
Dr. Jair de Jesus Mari, professor titular de psiquiatria da UNIFESP , fala sobre os principais sinais da ansiedade. Esse vídeo …
8
03:20
Saiba o que é a doença “Pescoço de Texto”
Juliana Santos, Terapeuta Manual de dores crônicas e agudas fala sobre a doença de Pescoço de Texto. Esse vídeo faz parte …