Susana Vieira fala sobre diagnóstico de doença: ‘Não tem cura’

A atriz afirmou em entrevista que não adianta fazer transplante e que está em paz com o diagnóstico

Susana Vieira fala sobre doença e seu estilo de vida
Créditos: reprodução/Instagram/@susanavieiraoficial
Susana Vieira fala sobre doença e seu estilo de vida

Susana Vieira falou sobre o diagnóstico de duas doenças durante participação no “Fantástico”, da TV Globo, no domingo, 19, para promover seu novo livro, “A senhora do meu destino”.

A atriz de 81 anos, conhecida por sua icônica carreira na televisão brasileira, também falou sobre seus cuidados com a saúde e sobre sua boa forma.

O último trabalho de Susana na Globo foi em 2024, na novela “Terra e Paixão”. A atriz estreou na TV em 1962.

Qual é a doença de Susana Vieira?

A atriz tem leucemia linfocítica crônica, tipo de câncer do sangue e da medula óssea, e anemia hemolítica autoimune: “Tenho leucemia linfocítica crônica, que é uma doença que não tem cura e não adianta fazer transplante de medula.”

“E eu tenho uma outra doença de sangue, que se chama anemia hemolítica autoimune. É óbvio que com à medida que você vai ficando com mais idade, você fica preocupada. Então essa doença, parece que foi Deus, me deixou em paz. Ou eu estou mais em paz talvez”, explicou a atriz.

Apesar desses desafios, Susana revela que ambas as condições estão em remissão, o que lhe permite manter seu estilo de vida ativo. 

Segundo Susana, uma combinação de disciplina em exercícios físicos regulares e uma dieta balanceada são essenciais para sua saúde. Ela enfatizou a importância de comer de tudo moderadamente, incluindo alimentos básicos: “A disciplina de fazer os exercícios, que eles mandam. E eu como tudo, arroz, feijão, muita farinha. Como de tudo, pão, manteiga, tudo”, afirmou.

O que é leucemia linfocítica, doença enfrentada por Susana Vieira?

A leucemia linfocítica crônica (LLC) é um tipo de câncer que afeta os linfócitos, que são um tipo de glóbulo branco responsável pela resposta imune.

Na LLC, a medula óssea produz uma quantidade excessiva de linfócitos anormais, que se acumulam no sangue e na medula óssea, prejudicando a produção e o funcionamento das células sanguíneas normais.

Essa doença progride lentamente. Então, os sintomas podem incluir fadiga, infecções frequentes, aumento dos linfonodos, perda de peso e suores noturnos.

O que é a anemia hemolítica autoimune?

A anemia hemolítica autoimune (AHAI) é uma doença em que anticorpos anormais atacam e destroem os glóbulos vermelhos do sangue, causando anemia.

Existem três tipos: por anticorpos quentes, que reagem a temperaturas corporais normais; por anticorpos frios, que reagem a temperaturas mais baixas; e a mista, quando os dois tipos de autoanticorpos (quente e frio) coexistem.

Embora a causa da anemia hemolítica autoimune nem sempre seja identificável, ela pode ocorrer devido à desregulação do sistema imunológico após uma infecção, em decorrência de doenças autoimunes como lúpus ou artrite reumatoide, uso de certos medicamentos e até câncer.

Os sintomas podem incluir dificuldade de respirar, fadiga, palidez, icterícia e aumento do baço. Além disso, o diagnóstico envolve exames de sangue, incluindo o teste de Coombs direto. 

Afinal, como Susana está com os diagnósticos?

Em remissão, a atriz afirmou que está “em paz” e agora está prestes a lançar sua própria biografia.

Refletindo sobre sua carreira, a atriz considera o papel de Maria do Carmo, na novela “Senhora do Destino” de 2004, como um de seus trabalhos mais emblemáticos. O mesmo título foi escolhido para sua biografia, co-escrita com Mauro Alencar. O livro oferece uma visão profunda sobre sua vida pessoal e trajetória profissional.

Além disso, quando o assunto chegou nos planos para o futuro, a artista aproveitou para deixar uma mensagem para o público.

“Desejo muita coisa, mas continuo ligada no amor, no sexo. O que eu quero dizer é que, se você continua desejando alguma coisa, você continua viva e bonita. Deseje um pão com manteiga, deseje um emprego melhor, deseje um homem, deseje uma mulher. Meu verbo não é sonhar, é desejar”, disse por fim.