Últimas notícias:

Loading...

Dia Mundial dos Animais: documentários mostram exploração no turismo

Filmes revelam bastidores reais de parques que aprisionam golfinhos, orcas e tigres

Ouça este conteúdo

Neste 4 de outubro, Dia Mundial dos Animais, é uma excelente oportunidade para descobrirmos juntos os bastidores cruéis da indústria do turismo com bichos.

Como protetora de animais e jornalista especialista em viagens, contribuo com documentários incríveis, para repensarmos passeios e lugares valem nosso dinheiro.

Não há mais espaço para shows com bastidores cruéis, aprisionamento de animais para selfies e montaria que esgota o animal até a morte. São só alguns exemplos.

Há empresas do turismo que lutam contra esses passeios e sequer vendem ingressos para esses lugares.

Crédito: PixabayBlackfish é um dos documentários que mostra bastidores cruéis de parques que aprisionam animais aquáticos

Não pagar por atrações que exploram é uma atitude sábia e consciente.

Se você ama a fauna, pode ver também as regras básicas para turismo com animais. Vamos a dois documentários essenciais.

Blackfish

O documentário lançado em 2013 foi uma bomba no mundo dos parques que aprisionam golfinhos e orcas para shows e selfies. Veja o trailer.

Ele mostra como esses animais enlouquecem,  se deprimem e morrem antes do que deveriam quando estão em cativeiro.

Imaginem uma orca, que na natureza nada mais de 100 km por dia, ficar presa em um tanque. More trancado no seu banheiro e saberá como é.

A narrativa foca na  história de Tilikum, baleia rotulada como “assassina”, que, por nervosismo e loucura do aprisionamento, matou várias pessoas em cativeiro.

É emocionante e revoltante. Imagens revelam o arrependimento de pessoas que trabalharam nesses parques, o tratamento cruel que os animais recebem e como escondem os maus-tratos.

Se você paga, é conivente com tudo. Sabendo a verdade, fica mais claro o dever de trocar esses parques por  outros passeios que levam para ver animais livres na natureza.

Máfia do Tigres

Lançada em 2020,  a série A Máfia dos Tigres mostra os bastidores horrorosos de zoológicos de felinos nos EUA. Mas poderia ser qualquer zoológico, em qualquer parte do mundo.

Crédito: DivulgaçãoMáfia dos Tigres revela bastidores horrorosos dos zoológicos de felinos

Tiger King é chocante. E nem falo das loucuras dos personagens, que nada temos com isso. O revoltante é a forma como tigres são usados para vaidade e, principalmente, para lucro milionário.

Eles colecionam felinos e os exibem ao cobrar ingressos. Forçam reprodução para usar os filhotes.

Ao nascer, bebês são tirados das mães ainda mamando, para serem guardados em caixinhas de papelão, berrando pela ausência materna.

Assim, são separados para que turistas façam selfies ou deem mamadeira. Você ainda acha essa selfie bacana?

Muitas vezes, a mãe é morta a tiros. Um adulto que não foi vendido e que não conseguiu ser adestrado tem manutenção cara, sem dar lucro.

Um dos magnatas da área, Joe Exotic, diverte-se com fotos e o “poder”que exibe ao lado de felinos aprisionados. Vende e lucra milhões com os tigrinhos.

O documentário mostra ainda falsos santuários, que têm, na verdade, a função de enriquecer os donos.

Iludido, o visitante do lugar acha que protege animais. Na verdade, são explorados para mais lucro. Só estariam protegidos se fossem redirecionados para o habitat natural deles.

Para descobrir passeios éticos em lugares sérios que protegem animais, siga o Lado B Viagem no Instagram.

ladobviagem

Em parceria com ladobviagem

Andrea Miramontes, jornalista e viajante. Sou vegetariana/vegana e jamais divulgo atrações que escravizem animais. Sustentabilidade e ética no turismo em contato com a fauna são os pilares do meu trabalho. Faço os sites Lado B Viagem e Patas ao Alto. Seja muito bem-vindo!

Este conteúdo - assim como as respectivas imagens, vídeos e áudios - é de responsabilidade do usuário Lado B Viagem

A Catraca Livre disponibiliza espaço no site para que qualquer interessado possa contribuir com cidades mais acolhedoras, educadas e criativas, sempre respeitando a diversidade de opiniões.

As informações acima são de responsabilidade do autor e estão sujeitas a alterações sem aviso prévio.