Instituto Moreira Salles é o lugar da fotografia em SP

Por: Redação
TERçA QUARTA QUINTA SEXTA SáBADO DOMINGO
Terças, Quartas, Sextas, Sábados e Domingos das 10:00 às 20:00 e Quintas das 10:00 às 22:00

Os paulistanos apaixonados por fotografia já têm um espaço cultural para chamar de seu. Localizado em plena Avenida Paulista, ali do ladinho da Rua da Consolação, o Instituto Moreira Salles acaba de abrir sua nova unidade em São Paulo em um prédio moderno e acolhedor.

Com uma grande variedade de atividades, que vão do cinema à música, sem esquecer da gastronomia, o IMS Paulista tem a fotografia como a grande protagonista.

É a partir dela que uma programação toda especial foi desenvolvida incluindo palestras, cursos, workshops, exposições incríveis e uma biblioteca inteiramente dedicada ao tema, com obras singulares e relevantes para consulta e pesquisa.

Vizinho da Japan House, Itaú Cultural, Centro Cultural Fiesp, MASP e Casa das Rosas, o IMS Paulista chega para consolidar de vez a Avenida Paulista como o principal corredor cultural da cidade e um dos mais importantes do país.

Como o espaço cultural é recheado de destaques, resolvemos facilitar a sua vida com uma lista de cinco motivos que COM CERTEZA valem a visita. Pode ir de coração aberto, porque a possibilidade de você também se apaixonar pelo espaço é grande:


1. Sua arquitetura moderna, acolhedora e sustentável


O primeiro contato com o prédio onde fica o IMS Paulista é impactante. A moderna arquitetura e o clima monumental do vão que começa na recepção localizada no 5º andar e que termina somente nos andares seguintes, deixam marcas instantâneas na memória. Características que em nenhum momento impedem o centro cultural de ser acolhedor. Outro detalhe marcante da construção está relacionado à sustentabilidade: seja com o aproveitamento de iluminação natural em espaços como a praça, a biblioteca, o café e o restaurante; no sistema que reutiliza a energia de elevadores e escadas rolantes, com uma economia de até 75%; ou na captação de água da chuva em dois reservatórios que são usados nas descargas dos banheiros. (Saiba mais)

escadarias do IMS Paulista
Instituto Moreira Salles recebe segunda edição do Festival serrote para discutir política, cultura e sociedadeBruno Fernandes
A moderna arquitetura e o clima monumental do Instituto Moreira Salles na Avenida Paulista deixam marcas instantâneas na memória
A moderna arquitetura e o clima monumental do Instituto Moreira Salles na Avenida Paulista deixam marcas instantâneas na memóriaBruno Fernandes
A moderna arquitetura e o clima monumental do Instituto Moreira Salles na Avenida Paulista deixam marcas instantâneas na memória
A moderna arquitetura e o clima monumental do Instituto Moreira Salles na Avenida Paulista deixam marcas instantâneas na memóriaBruno Fernandes
A moderna arquitetura e o clima monumental do Instituto Moreira Salles na Avenida Paulista deixam marcas instantâneas na memória
A moderna arquitetura e o clima monumental do Instituto Moreira Salles na Avenida Paulista deixam marcas instantâneas na memóriaBruno Fernandes
A moderna arquitetura e o clima monumental do Instituto Moreira Salles na Avenida Paulista deixam marcas instantâneas na memória
A moderna arquitetura e o clima monumental do Instituto Moreira Salles na Avenida Paulista deixam marcas instantâneas na memóriaBruno Fernandes
A moderna arquitetura e o clima monumental do Instituto Moreira Salles na Avenida Paulista deixam marcas instantâneas na memória
A moderna arquitetura e o clima monumental do Instituto Moreira Salles na Avenida Paulista deixam marcas instantâneas na memóriaBruno Fernandes

2. “Viúva Negra” de Alexander Calder


Criada em 1948 pelo artista norte-americano Alexander Calder (1898-1976), a “Viúva Negra” é um dos maiores móbiles do artista, com 3,5 metros de altura e 2 metros de comprimento. Devido a uma parceria entre o IMS e o Instituto dos Arquitetos do Brasil, a obra ficará exposta permanentemente na praça da unidade. Protegida como Patrimônio Cultural e Artístico Federal, Estadual e Municipal, a escultura foi recentemente restaurada, por ocasião de uma retrospectiva do artista na Tate Modern, em Londres, em 2016. Calder criou a sua primeira escultura cinética em 1931, movida a manivelas e motor, apelidadas por Marcel Duchamp de “móbiles”, por serem móveis. Logo o escultor abandonou as formas mecânicas, quando percebeu que poderia fazer obras movidas por correntes aéreas.

"Viúva Negra" é um dos maiores móbiles do artista, com 3,5 metros de altura e 2 metros de comprimentoMaria Clara Villas
"Viúva Negra" é um dos maiores móbiles do artista, com 3,5 metros de altura e 2 metros de comprimentoBruno fernandes
"Viúva Negra" é um dos maiores móbiles do artista, com 3,5 metros de altura e 2 metros de comprimentoBruno fernandes
"Viúva Negra" é um dos maiores móbiles do artista, com 3,5 metros de altura e 2 metros de comprimentoBruno fernandes
"Viúva Negra" é um dos maiores móbiles do artista, com 3,5 metros de altura e 2 metros de comprimentoBruno fernandes

3. Biblioteca de Fotografia com cerca de 6 mil títulos no acervo


Localizada no 1º andar do IMS e com capacidade para abrigar até 30 mil itens, a biblioteca do instituto é totalmente dedicada a publicações fotográficas, em uma iniciativa única no Brasil e que a coloca não só como referência na área em nível nacional, mas também internacional. Contando na sua inauguração com um acervo de aproximadamente 6 mil títulos, ele abrange desde livros, catálogos e revistas de importância histórica, até fotolivros e zines recém-saídos das gráficas. Há ainda um local destinado a pequenas exposições de livros. Estão disponíveis para consulta desde coleções especiais dos fotógrafos Paulo Leite, Iatã Cannabrava e Vania Toledo, até a coleção do alemão Gerhard Steidl, que doou um conjunto completo dos livros visuais produzidos pela prestigiosa editora que leva seu sobrenome. (Saiba mais)

A Biblioteca de Fotografia do IMS Paulista tem capacidade para até 30 mil publicações
A Biblioteca de Fotografia do IMS Paulista tem capacidade para até 30 mil publicações
A Biblioteca de Fotografia do IMS Paulista tem capacidade para até 30 mil publicações
A Biblioteca de Fotografia do IMS Paulista tem capacidade para até 30 mil publicações
A Biblioteca de Fotografia do IMS Paulista tem capacidade para até 30 mil publicações
A Biblioteca de Fotografia do IMS Paulista tem capacidade para até 30 mil publicações
A Biblioteca de Fotografia do IMS Paulista tem capacidade para até 30 mil publicações
A Biblioteca de Fotografia do IMS Paulista tem capacidade para até 30 mil publicações
A Biblioteca de Fotografia do IMS Paulista tem capacidade para até 30 mil publicações
A Biblioteca de Fotografia do IMS Paulista tem capacidade para até 30 mil publicações

4. A gastronomia brasileira do restaurante e café Balaio


Cultura na nova unidade do IMS passa por todos os sentidos e isso fica mais do que claro com a escolha do chef Rodrigo Oliveira para comandar o restaurante e café do espaço. Pautado por uma comida saudável e natural, o menu do Balaio apresenta um olhar contemporâneo e não extravagante da gastronomia brasileira, ou seja, um local informal e aconchegante. Premiadíssimo, Rodrigo comanda os restaurantes Mocotó e Esquina Mocotó, em São Paulo, e para seu novo empreendimento no piso térreo do prédio resolveu trazer alguns clássicos já consagrados de sua cozinha, como os dadinhos de tapioca e os torresmos, além de novas opções como o arroz de linguiça bragantina e a paleta de cabrito assada, servida com angu de fubá branco. Já no quinto andar, funciona o Balaio Café, que tem pães de fermentação natural, tapiocas, cuscuz, bolos e cafés. (Saiba mais)

Restaurante e café do IMS Paulista é comandado pelo chef Rodrigo Oliveira
Restaurante e café do IMS Paulista é comandado pelo chef Rodrigo Oliveira
Restaurante e café do IMS Paulista é comandado pelo chef Rodrigo Oliveira
Restaurante e café do IMS Paulista é comandado pelo chef Rodrigo Oliveira

5. Cursos, worshops e oficinas de fotografia


Um dos pilares da programação do IMS Paulista, é voltado para o conhecimento e a educação por meio de cursos, workshops e oficinas. Contando com dois ateliês e um laboratório, estas atividades práticas têm como proposta a pesquisa do meio fotográfico e seus procedimentos analógicos e digitais. Este eixo do IMS pretende estimular a vivência de processos criativos e conceituais da fotografia, além de reunir estudiosos e artistas que estabeleçam diálogos entre técnicas e significados.

IMS Paulista conta com dois ateliês e um laboratório para atividades práticas
IMS Paulista conta com dois ateliês e um laboratório para atividades práticas
IMS Paulista conta com dois ateliês e um laboratório para atividades práticas
IMS Paulista conta com dois ateliês e um laboratório para atividades práticas
1
Pista Cláudio Coutinho: natureza fora da mesmice no RJ
Ideal para caminhadas, a Pista Claudio Coutinho te leva para um passeio cercado de natureza: de um lado o mar …
2
As melhores sorveterias para refrescar o calor de Salvador
Calor, sol escaldante, praia… em Salvador é verão o ano todo, minha gente! E pra refrescar esse calorão todo, bora …
3
Rapel na Ponte do Sumaré em SP: vai encarar?
Já pensou em pular da ponte com os amiguinhos? Sim? Colaí, que hoje vamos saltar da Ponte do Sumaré!
4
Almoço perfeito em BH no Mercado Novo
Que a comida mineira é uma delícia, todo mundo já sabe, mas almoço perfeito mesmo, é no Mercado Novo de …
5
Bar da Laje: a melhor vista do Rio de Janeiro
Colaí que hoje o passeio é lá no alto! Vamos subir o Morro do Vidigal para conferir tudo sobre o …
6
Ópera do Arame: símbolo emblemático de Curitiba
Entre lagos, vegetação típica e cascatas, numa paisagem singular, está a Ópera do Arame. Colaí que eu vou te contar porque …
7
Cisne Branco: Espaço cultural flutuante em Porto Alegre
Verdadeiro ícone de Porto Alegre, o barco Cisne Branco é referência quando se fala de rolê flutuante! Colaí pra navegar nessas …
8
As obras de Niemeyer espalhadas por BH
Você sabia que há várias obras de Niemeyer espalhadas por BH? Colaí que eu vou mostrar pra você!