Musical ‘Bertoleza’ dá voz a mulheres negras silenciadas no Brasil

Espetáculo inverte o protagonismo no clássico 'O Cortiço', de Aluísio Azevedo, e ainda tem no elenco Eduardo Silva, o eterno Bongô de Castelo Rá-Tim-Bum!

Até 01 de março de 2020

Sexta - Sábado - Domingo

Sextas e sábados, às 21h30 | Domingos, às 18h30 (no dia 22/2 a sessão acontece às 18h30)

A vereadora Marielle Franco e outras tantas mulheres negras que foram silenciadas no Brasil são lembradas no musical “Bertoleza”, uma releitura da Gargarejo Cia. Teatral para o clássico “O Cortiço”, de Aluísio Azevedo (1857-1913).

E sabe quem está no elenco? O premiado ator Eduardo Silva, que ficou conhecido como o personagem Bongô de Castelo Rá-Tim-Bum!

cena do musical Bertoleza
Crédito: Winni Macedo/divulgaçãoBertoleza é interpretada pela atriz Lu Campos

Com direção e adaptação de Anderson Claudir, o musical inverte o protagonismo dos personagens do romance original. Agora quem ganha voz e nos conta seu ponto de vista é Bertoleza (interpretada pela atriz Lu Campos), que é tão importante para a construção da obra quanto o protagonista original – porém fica restrita a um destino trágico.

+Espetáculo com descontão: PEÇA NA CASA DAS ROSAS CONDUZ PÚBLICO PELOS CÔMODOS DA MANSÃO 

Na trama, o ganancioso português João Romão (Bruno Silvério) propõe uma sociedade à escrava Bertoleza, prometendo comprar a alforria dela. Juntos, eles começam uma nova vida e constroem um pequeno patrimônio formado por um grande cortiço, um armazém e uma pedreira.

Eduardo Silva
Crédito: Winni Macedo/divulgaçãoO premiado ator Eduardo Silva, o Bongô de Castelo Rá-Tim-Bum, está no elenco

O ambicioso Romão já não se contenta com esse capital e não sabe como se tornar mais poderoso. Envenenado pelo invejoso Botelho ( Eduardo Silva), ele decide se casar com Zulmira (Taciana Bastos), a filha de Miranda, um negociante português recentemente agraciado com o título de barão. Mas, para isso, precisa se livrar da amante Bertoleza, que trabalha de sol a sol pela vida que eles construíram juntos.

Entre os episódios dessa história, a companhia evoca a trajetória de várias mulheres negras, como a escritora Carolina Maria de Jesus, famosa pelo livro “Quarto de Despejo: Diário de uma Favelada”; a jornalista e professora Antonieta de Barros, defensora da emancipação feminina que foi apagada dos livros de História; a escritora Maria Firmina dos Reis, considerada a primeira romancista brasileira; e a guerreira Dandara, que viveu e lutou no período colonial.

musical Bertoleza
Crédito: Winni Macedo/divulgaçãoO musical é uma releitura do clássico “O Cortiço”, de Aluísio Azevedo

Além da temática autêntica brasileira, o musical reúne várias canções originais interpretadas ao vivo pelo elenco, que foram compostas por Claudir a partir de várias sonoridades da música popular.

O elenco – quase todo formado por atores negros – fica completo com Ananza Macedo, Cainã Naira, Palomaris, Taciana Bastos, David Santoza, Edson Teles, Gabriel Gameiro, Matheus França e Welton Santos, que formam o coro do musical.

Você pode conferir o musical “Bertoleza” no Sesc Belenzinho, de 7 de fevereiro a 1º de março, com sessões às sextas e aos sábados, às 21h30, e aos domingos, às 18h30 (no dia 22 de fevereiro a sessão também acontece neste horário). Os ingressos custam até R$30 e já estão à venda aqui.

SP é muito girl power SIM! Eles que lutem…

Em parceria com Agência Fática

A Fática é uma agência de comunicação especializada em produzir conteúdos sobre cultura em suas diferentes linguagens.