Câmeras do metrô não registram estupro de estudante em SP

A investigação continua para apurar se a jovem foi vítima de violência sexual e em qual local isso teria ocorrido

Por: Redação | Comunicar erro
Crédito: Reprodução / FlickrO caso foi denunciado na semana passada pela estudante

O estupro de uma estudante de 18 anos dentro da estação Sacomã, na Linha 2 – Verde do Metrô de São Paulo, na última quarta-feira, 22, não foi confirmado pelas imagens de câmeras de segurança da companhia. A informação foi divulgada nesta terça-feira, 28, pela assessoria de imprensa da Secretaria da Segurança Pública (SSP).

A investigação continua para apurar se a universitária foi vítima de violência sexual e em qual local isso teria ocorrido. A jovem foi ouvida novamente nesta segunda-feira, 27, na 2ª Delegacia de Defesa da Mulher (DDM), e “não confirmou o crime”, de acordo com a nota.

Ao G1, a assessoria da SSP informou que a estudante deu “versões controversas”. Além disso, as 24 imagens de câmeras do metrô entregues à investigação policial não gravaram o estupro e nem o suposto agressor que a teria atacado.

No segundo depoimento à polícia, a jovem teria mudado a maior parte das informações dadas inicialmente. Ela manteve a versão de que foi estuprada, mas não deu certeza e afirmou que não consegue informar onde e nem como isso possa ter ocorrido.

Ainda no depoimento, a universitária alegou que sofre de síndrome do pânico, fez tratamento psiquiátrico e está há cinco meses sem tomar medicamento.

Crédito: LeoMSantos / WikipediaAs imagens não confirmaram o estupro

Primeiro relato

Na semana passado, a estudante contou ao G1 que estava indo para a faculdade, por volta das 17h, quando foi abordada por um homem que pediu informações na bilheteria da estação Sacomã. Depois, já na plataforma de embarque, enquanto a vítima estudava perto da escada, onde há um vão, ele a atacou.

“Quando dei por mim, senti um puxão no braço e só lembro de estar no chão, ele passar a mão em mim, rasgar toda a minha legging e foi aí que tudo aconteceu”, disse a jovem. “Eu não tive condições de fazer nada, eu paralisei, não sabia o que fazer.”

Ainda segundo a vítima, o agressor estava armado e, após o estupro, a acompanhou até uma região próxima à universidade. Totalmente apavorada, ela apenas conseguiu pedir para alguns amigos a encontrarem na porta da faculdade.

A estudante procurou atendimento médico no Hospital de São Bernardo do Campo, onde fez exames e recebeu os medicamentos anti-retrovirais e a pílula do dia seguinte. Na quinta-feira, 23, ela registrou a denúncia na 2ª Delegacia da Mulher, na zona sul.

Se ficar comprovado que ela mentiu, poderá ser indiciada por falsa comunicação de crime.

Compartilhe:

1 / 8
1
02:53
Suzano e Nova Zelândia: os impactos da exposição excessiva
A primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, disse que o nome do atirador que matou 50 pessoas em uma mesquita em …
2
02:28
Posse de armas: Nova Zelândia dá exemplo de civilidade ao mundo
Após chocar o mundo nesta semana com o massacre de 50 pessoas em duas mesquitas de Christchurch, a Nova Zelândia …
3
03:10
Entenda o mistério por trás da boneca Momo
Ainda mais perturbador, o Desafio da Momo está de volta e desta vez a boneca aparece supostamente dentro de vídeos …
4
02:25
Bolsonaro apoia a construção de muro entre EUA e México
Em viagem diplomática a Washington, o presidente Jair Bolsonaro disse apoiar a construção do muro na fronteira entre EUA e México, …
5
01:42
A nova decisão do STF e o futuro da Lava Jato
O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que a partir de então os crimes de lavagem de dinheiro e corrupção quando …
6
02:31
Atentado na Nova Zelândia: crimes transmitidos nas redes sociais
Mais um atentado terrorista chocou o mundo nesta sexta-feira, dia 15. Um atirador realizou ataques simuntâneos em duas mesquitas, deixando …
7
01:45
O lugar em que os atiradores de Suzano foram considerados heróis
Uma reportagem publicada nesta terça-feira, 14, pelo portal da Vice indica que os atiradores que invadiram a Escola Estadual Raul …
8
04:17
Últimas notícias sobre a tragédia em Suzano