Últimas notícias:

Loading...

Casos de vírus mortal fazem cientistas temer nova pandemia

Em quadros mais graves, infecção causada pelo vírus pode afetar o cérebro

Por: Redação
Ouça este conteúdo

As autoridades indianas estão correndo para conter um surto do vírus mortal Nipah depois que um menino de 12 anos morreu com um inchaço cerebral no estado de Kerala, no sul do país. Embora não seja novo, o patógeno colocou a comunidade médica internacional em alerta.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) disse que monitora os casos da doença, que possui uma taxa de mortalidade variando entre 40 a 75%, muito superior à taxa de 1% do coronavírus.

vírus mortal
Crédito: Janiecbros/istockVírus mortal preocupa cientistas após morte de garoto na Índia

O vírus tem feito vítimas desde fevereiro e cientistas temem que ele causar uma nova pandemia.

O que é  vírus Nipah

O vírus Nipah pode ser transmitido para humanos a partir de morcegos e alimentos contaminados. A transmissão também pode ocorrer diretamente de pessoa para pessoa.

Crédito: CraigRJD/iStockOs morcegos são reservatórios naturais desse vírus

Em pessoas infectadas, o vírus causa uma série de sintomas, desde síndromes respiratórias agudas a inflamação no cérebro. Ainda não existe vacina ou cura, somente um tratamento para a doença.

Ainda não existe vacina ou cura, somente um tratamento para a doença. O vírus foi identificado pela primeira na Malásia e atualmente tem provocado mais casos na Índia.

Sinais e sintomas

Acredita-se que o período de incubação (intervalo desde a infecção até o início dos sintomas) varie de 4 a 14 dias.

Inicialmente, algumas pessoas costumam apresentar sintomas como febre, dores de cabeça, dores musculares, vômitos e dor de garganta.

Esse quadro pode ser seguido por tonturas, sonolência, alteração da consciência e sinais neurológicos que indicam encefalite aguda. Algumas pessoas também podem ter pneumonia atípica e problemas respiratórios graves, incluindo dificuldade respiratória aguda.

De acordo com a OMS, encefalite e convulsões ocorrem em casos graves, progredindo para coma em 24 a 48 horas.

Em casos mais leves, no entanto, algumas pessoas podem desenvolver a infecção de forma assintomática.

Compartilhe:

Tags: #Doença