Causas da enxaqueca: o que está por trás das crises?

A enxaqueca é uma condição neurológica complexa que envolve uma combinação de fatores genéticos, neuroquímicos e ambientais

Quem sofre de enxaqueca sabe que ela não é uma simples dor de cabeça. A enxaqueca é uma doença neurológica, genética e crônica cuja principal característica é a dor latejante, em um ou nos dois lados da cabeça.

A dor geralmente dura de várias horas a dias e costuma ser acompanhada por sintomas, como náuseas e vômitos.

Além disso, pode haver hipersensibilidade à luz, ruídos ou cheiros.

Quais são as causas das enxaquecas?

A causa exata das enxaquecas não é completamente compreendida. No entanto, supõe-se que exista uma predisposição genética. 

Os fatores desencadeantes desempenham um papel central no desenvolvimento de enxaquecas. Isto pode incluir fatores inespecíficos como estresse, falta de sono, alterações hormonais, certos alimentos (como queijo e chocolate) ou estímulos ambientais.

A TPM (tensão pré-menstrual) também carrega consigo crises de cefaleia. As enxaquecas na mulher tendem a ser mais frequentes no período menstrual ou pré-menstrual.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Cefaleia, irregularidades menstruais, endometriose, ovários policísticos e reposição hormonal também podem ser fatores que agravam as enxaquecas.

Alterações na atividade dos neurotransmissores, como a serotonina, também podem desempenhar um papel importante.

A enxaqueca causa dor intensa latejante
Créditos: AntonLozovoy/DepositPhotos
A enxaqueca causa dor intensa latejante

Quantas pessoas sofrem com enxaquecas?

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), globalmente, os distúrbios de cefaleia afetam aproximadamente 40% da população, ou 3,1 mil milhões de pessoas em 2021. 

Ainda de acordo com a OMS, o problema é mais comum nas mulheres do que nos homens.

Quais são os sintomas típicos das enxaquecas?

Os sintomas da enxaqueca podem ser diferenciados dependendo do tipo de enxaqueca: com e sem aura.

A enxaqueca com aura se caracteriza por alterações na percepção visual, como pontos brancos, luminosos ou cintilantese flashes de luz. Essas alterações surgem como um prenúncio da dor que vai aparecer em seguida.

A enxaqueca sem aura afeta cerca de 75% das pessoas que sofrem de enxaqueca. As características típicas incluem dores de cabeça graves, muitas vezes unilaterais, que duram horas ou dias.

A pessoa também pode ter  náuseas e vômitos, hipersensibilidade a estímulos externos, como luz e ruído, e aumento da dor durante a atividade física.

No caso de enxaqueca com aura, sintomas neurológicos como distúrbios visuais, parestesia ou dormência, perda de campo visual e distúrbios da fala geralmente ocorrem antes da dor de cabeça.

Os sintomas da aura geralmente se desenvolvem em minutos, duram cerca de 30 minutos e depois desaparecem.

Diagnóstico da enxaqueca

O diagnóstico é baseado principalmente na descrição dos sintomas pelo paciente. Portanto, o histórico médico é particularmente importante para enxaquecas.

De acordo com a International Headache Society, as enxaquecas devem ter pelo menos 2 das 4 seguintes condições:

  • Dor concentrada em um lado da cabeça (pode se espalhar por toda a cabeça ou mover-se de um lado para o outro);
  • Uma sensação pulsante ou latejante de dor;
  • Dor que piora com esforço físico;
  • Dor que interfere significativamente nas atividades diárias.

Além disso, deve haver pelo menos 1 sintoma acompanhante e 5 episódios de dor sem quaisquer outras causas possíveis.

No caso de enxaqueca com aura, pelo menos 2 das seguintes condições também devem estar presentes:

  • Sintomas durante a aura que surgem centralmente no cérebro;
  • Alterações visuais que duram menos de 1 hora;
  • Um período de menos de 1 hora entre as alterações visuais e o início da dor.

Como é o tratamento para enxaqueca?

Quando as dores de cabeça se tornam recorrentes e com as características de enxaqueca é o momento de procurar um médico.

O neurologista é a especialista que avalia, identifica e trata enfermidades relacionadas ao funcionamento do sistema nervoso central. No atendimento, o profissional fará o diagnóstico correto do seu caso não só a partir do seu relato, mas de acordo com exames que ele pode solicitar para descartar outros problemas.

O tratamento da enxaqueca geralmente envolve uma abordagem multidisciplinar, que pode incluir medicamentos para alívio da dor e prevenção, além de mudanças no estilo de vida para evitar os gatilhos conhecidos.