Comer com culpa é normal?

Embora normalizado por muito profissionais, o comer com culpa pode causar adoecimento físico e mental

Por: Marcela Kotait

Como uma consequente preocupação da pressão estética à qual estamos expostos, a culpa ao comer é presente no dia a dia de muitas pessoas. A relação entre corpo e ato de comer potencializa sentimentos atrelados à alimentação. Quando se acredita que o corpo perfeito é o corpo demasiadamente magro, tudo que se come pode ser suficiente para arruinar o sonho da forma perfeita.

Embora a máxima sobre a igual importância entre a maneira que se come e o que se come seja verdadeira, ainda é comum que o hábito de fazer dietas e regimes restritivos seja perpetuado como uma maneira de melhorar a relação com a comida. O que fatalmente não persistirá por muito tempo, visto que é sabido por dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) que apenas 5% das pessoas que emagrecem por meio de dietas restritivas irão manter o peso perdido por dois anos ou mais. E ainda se especula que essa minoria, para manter o feito, adote comportamentos transtornados.

ilustração de menino comendo com culpa
Crédito: Juanljones/istockRelação problemática com a comida pode gerar transtornos

A maneira com a qual nos relacionamos com a comida interfere diretamente na alimentação e no sentido que lhe é dado, seja a um prato de salada, seja a uma fatia de pudim. Os sentimentos e pensamentos relacionados ao comer refletem muito mais que hábitos alimentares; no fundo, refletem o comportamento alimentar.

O comer com culpa é “normalizado” por muitos profissionais. Enquanto ainda houver reforço de nutricionistas, médicos e educadores físicos sobre força de vontade atrelada ao objetivo de emagrecimento, mais pessoas adoecerão na busca pelo corpo fitness. O debate sobre saúde se faz urgentemente necessário para ressignificarmos quais são os reais resultados do comer em paz e de maneira saudável. A culpa não deve preencher o prato de comida, nem deve estar na caixa de bombons. Comer com culpa não é e nem deve ser considerado algo saudável.

Texto escrito pela nutricionista Marcela Kotait.

Compartilhe: