Como sobreviver à Páscoa sem cair no conto do ovo fit

Entenda por que você deveria parar de se culpar e se privar de comer o chocolate da sua preferência

Por: oquehouvecomacouve | Comunicar erro

Tá chegando a páscoa, e com ela, os mais diferentes ovos: de bolo de cenoura, de chocolate com Nutella, de ganache, red velvet, ao leite, ovo de tudo quanto é jeito. Até o tal do ovo fit.

Mas o que será um ovo fit? Boa pergunta. Não existe definição, qualquer um pode chamar seu ovo de fit. Sem lactose, – fit. Sem glúten, com açúcar de coco, recheado de pasta de amendoim orgânico – fit. Ovo de alfarroba, com Whey Protein, ovo de banana (!!!) – todos bem fit.

3 ovos de páscoa recheados
Crédito: RHJ/istockO que te impede de comer um ovo de páscoa comum sem culpa?

O problema é que ninguém come ovo de páscoa pra ficar ‘fit’. Pelo menos não deveria. E aí eu te pergunto, por que então escolher esse tipo de doce? Se você não tem alergias ou intolerâncias que te impedem de aproveitar um ovo de páscoa comum, não entendo essa decisão.

O ovo, como diz no nome, é de Páscoa. E a Páscoa acontece uma vez ao ano. Os “benefícios” do tal do ovo fit não vão fazer grande diferença na sua vida nesse contexto, no consumo isolado. É como fazer 5 abdominais no ano e achar que agora vai ter tanquinho.

É tudo balela. Inventado pra custar mais caro e vendido com o apelo de que esse é ‘mais saudável’ e você pode comer sem culpa, implicando que se você come um ovo de Páscoa comum está errado, mas o ovo 70% cacau enriquecido com colágeno, esse pode comer ‘à vontade’. E é aí que mora mais um problema.

Como muitas das pessoas que compram alimentos fit vivem tentando ser mais saudáveis e evitando consumir determinados alimentos, como açúcar refinado, farinha branca, chocolate, glúten, leite e seus derivados, elas tendem a perder o controle quando se permitem comer algo diferente. E aí né, melhor escolher o ovo fit. Tudo bem se eu comer inteiro de uma vez. Disseram que eu podia comer sem culpa…

Será? Será que só esse você pode comer sem culpa? Será que o tal do nutriente que caracteriza ele como fit importa mais do que o jeito que você come o chocolate? A velocidade, o prazer envolvido, os sentimentos antes, durante e depois de come-lo? Eu acredito que não. Falo isso direto no O que houve com a couve?

Se seu objetivo é ser mais saudável, procure alimentar-se melhor: incluir frutas, legumes e verduras no dia a dia, preferir alimentos integrais, diminuir o consumo de alimentos industrializados e ultra processados. Isso sim vai fazer diferença na sua saúde.

Conselho da nutri: que tal nesse ano deixar o coitado do coelhinho e seus ovinhos em paz? Nessa Páscoa, escolha um chocolate que te dê prazer. Escolha um momento calmo, sem stress ou ansiedade, sem fome ou pressa para apreciar seu ovo de páscoa. Você pode dividi-lo com pessoas queridas, ou separar em pedaços pra ir comendo ao longo dos dias. O importante é se permitir curtir esse momento, se deliciar, estar presente, e não querer acabar logo com isso porque é bom demais, socorro.

duas pessoas comendo um ovo de páscoa de colher
Crédito: erikapellini/istockMindful eating ensina a saborear os alimentos com calma

Você pode prolongar o prazer de comer seu ovo de Páscoa preferido, saboreando-o aos poucos. Ele não precisa ser devorado de uma vez para depois você se punir num detox, academia, dieta, dieta, dieta. Fica tranquila, seu corpo sabe lidar com os chocolatinhos extras. Não precisa se culpar, é normal comer mais doces nessa época do ano, é até esperado. Assim como é esperado que tome mais cerveja no carnaval e coma mais uva passa no Natal. Tá tudo bem.

Páscoa é uma vez no ano, ninguém vai ter mais ou menos saúde pelo consumo diferenciado dessa época.

Texto escrito por Luiza Mattar, nutricionista do O que houve com a couve.

Autor: oquehouvecomacouve

Termos da rede:

Este conteúdo - assim como as respectivas imagens, vídeos e áudios - é de responsabilidade do usuário oquehouvecomacouve da Rede Catraca.

O Catraca Livre disponibiliza espaço no site para que qualquer interessado possa contribuir com cidades mais acolhedoras, educadas e criativas, sempre respeitando a diversidade de opiniões.

As informações acima são de responsabilidade do autor e estão sujeitas a alterações sem aviso prévio.

1 / 8
1
02:37
A primeira vez no ginecologista
A Dra. Marianne Pinotti, ginecologista e obstetra fala sobre a primeira consulta no ginecologista. Tem um momento exato para a primeira …
2
03:53
Decisão da Anvisa deve liberar a maconha medicinal no país
A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou duas propostas que podem liberar a maconha para fins medicinais e científicos …
3
02:51
O que é o projeto Cuide-se
Em parceria com a ONG Horas da Vida, o Catraca Livre produz vídeos com especialistas para dar dicas de saúde. No …
4
02:18
Vacina contra a gripe é liberada para toda a população
O Ministério da Saúde estendeu a campanha de vacinação contra a gripe para toda a população enquanto durarem estoques dos …
5
05:00
Quais os sintomas que a maconha pode trazer?
Dr. Jair de Jesus Mari, professor titular de psiquiatria da UNIFESP , fala sobre os sintomas que o uso de …
6
03:19
Natureza contra a depressão
A depressão é uma das doenças mais comuns do mundo moderno em grandes cidades e a falta de contato com …
7
02:42
Reconheça facilmente os níveis da depressão
Dr. Jair de Jesus Mari, professor titular de psiquiatria da UNIFESP , fala sobre os principais sinais da ansiedade. Esse vídeo …
8
03:20
Saiba o que é a doença “Pescoço de Texto”
Juliana Santos, Terapeuta Manual de dores crônicas e agudas fala sobre a doença de Pescoço de Texto. Esse vídeo faz parte …