EM ALTA

Menopausa precoce: por que ela acontece e quais os sintomas

Essa fase da vida pode ter um impacto significativo na saúde e na qualidade de vida da mulher, mas alguns tratamentos amenizam os sintomas

A menopausa precoce, também conhecida como falência ovariana prematura, é um fenômeno que afeta uma parcela significativa de mulheres em idade reprodutiva.

Embora essa fase natural seja geralmente associada ao envelhecimento, a menopausa precoce ocorre antes dos 40 anos de idade, e em alguns casos, até mesmo na adolescência. 

Mas, afinal, o que é menopausa?

A menopausa é o nome dado à última menstruação da mulher, que geralmente acontece entre 45 e 55 anos, marcando o fim da fase reprodutiva. É quando se esgota o estoque de óvulos, que foram liberados desde a primeira menstruação.

Durante a menopausa, os ovários diminuem a produção de hormônios femininos, como estrogênio e progesterona, levando a mudanças físicas e emocionais.

Saiba quais os sintomas da menopausa precoce
Créditos: fizkes/istock
Saiba quais os sintomas da menopausa precoce

Por que a menopausa pode chegar antes dos 40?

Fatores genéticos

A predisposição genética desempenha um papel importante na determinação da idade em que uma mulher entra na menopausa.

Se membros da família, como mãe ou irmãs, tiverem experimentado a menopausa precoce, é mais provável que a mulher também a experimente.

Anomalias cromossômicas

Certas condições genéticas, como a síndrome de Turner, podem estar associadas à falência ovariana prematura. Essas condições afetam os cromossomos sexuais e podem resultar em disfunção ovariana.

Tratamentos médicos

Tratamentos médicos como quimioterapia e radioterapia podem danificar os ovários e levar à menopausa precoce.

Isso é especialmente relevante para mulheres que receberam tratamento para câncer, pois essas terapias podem afetar a função ovariana.

Cirurgia

A remoção cirúrgica dos ovários (ooforectomia bilateral) resultará na menopausa imediata, independentemente da idade. Isso pode ser necessário em casos de condições médicas graves, como endometriose ou câncer ovariano.

Doenças autoimunes

Algumas doenças autoimunes, como a síndrome do ovário policístico (SOP) e a tireoidite de Hashimoto, podem afetar a função ovariana e levar à menopausa precoce.

Estilo de vida e fatores ambientais

Fatores como tabagismo, estresse crônico, exposição a toxinas ambientais e desequilíbrios hormonais devido a dietas extremas ou exercícios excessivos podem contribuir para a menopausa precoce.

Quais os primeiros sintomas de menopausa precoce?

  • ondas de calor
  • suores noturnos
  • alterações de humor
  • dificuldade para dormir
  • ressecamento vaginal
  • diminuição da libido
  • ganho de peso
  • alterações na pele e nos cabelos
Suores noturnos também são comuns na menopausa
Créditos: AntonioGuillem/istock
Suores noturnos também são comuns na menopausa

Como posso saber se entrei na menopausa?

A menopausa é um processo gradual que começa com a perimenopausa, que é o período de transição que precede a menopausa. Durante a perimenopausa, os ciclos menstruais podem se tornar irregulares e os sintomas associados à menopausa podem começar a aparecer. Eles podem variar em intensidade e duração de mulher para mulher.

No entanto, não é um mês sem menstruar que vai indicar que a mulher entrou nessa fase. Só é considerado menopausa quando ela já está há um ano sem apresentar sangramento.

Quando os sintomas da menopausa param?

Após a menopausa, uma mulher entra na pós-menopausa, que é o período que se segue ao último ciclo menstrual.

Durante a pós-menopausa, os sintomas da menopausa podem diminuir. 

Mas também é possível aliviar os sintomas antes disso, com alguns tratamentos, como Terapia de Reposição Hormonal (TRH) e também com medicamentos não hormonais. 

Menopausa precoce engorda?

A menopausa precoce, por si só, não é diretamente responsável pelo ganho de peso. No entanto, as mudanças hormonais associadas à menopausa, incluindo a menopausa precoce, podem contribuir para o ganho de peso em algumas mulheres.

Durante a menopausa, ocorrem alterações nos níveis hormonais, como uma diminuição nos níveis de estrogênio.

Essas mudanças podem afetar o metabolismo, levando a uma diminuição na taxa metabólica basal e uma redistribuição da gordura corporal, comumente observada no abdômen.

Além disso, as alterações hormonais podem contribuir para o aumento da fome e diminuição da saciedade, o que pode levar a um aumento da ingestão de alimentos.