Em SC, professora sofre transfobia ao se candidatar para ser diretora

Na retratação, mãe de aluno disse "não sou preconceituosa, tenho até amigos que são gays"

Por: Redação

Uma professora transexual da cidade de Gaspar (SC) foi alvo de transfobia por parte da mãe de um aluno após ela se candidatar para o cargo de diretora do colégio.

símbolo masculino e feminino cruzados e pintados com as cores da bandeira trans
Crédito: IStock/@itakdaleeProfessora trans há mais de 25 anos sofre preconceito de mãe de aluno

Segundo o blog Universa, do UOL, Lodemar Schmitt, 45, é professora de matemática há mais de 25 anos e decidiu apresentar um projeto para tornar a aprovação dos alunos vai rígida e melhorar a convivência na escola.

A votação foi marcada para esta sexta-feira, 22, mas na quarta, 20, a mãe de um dos alunos quis incentivar outros pais, através de um grupo de Whatsapp, que é triste um homossexual vestido de mulher querer se tornar o espelho da escola.

Essa mãe ainda disse que a indicação de Lodemar para o cargo vai contra os valores da família e que pode influenciar estudantes a serem transgêneros.

Com a repercussão, alunos, ex-alunos e outros professores criticaram a postura da mãe e ela contratou até uma advogada, que pediu uma retratação por mensagem e que fizesse uma faixa para ser colocada em frente à escola contra o preconceito, mas sua postura, mascarada de boas intenções, não mudou.

Na publicação, ela soltou a típica frase de “não sou preconceituosa, tenho até amigos que são gays”. O cartaz não foi feito e a professora disse que vai manter o processo em que alega ter sofrido racismo e homofobia dessa mãe.

Transfobia é crime!

Apesar de transfobia e homofobia não serem a mesma coisa – um diz respeito à violência contra a identidade de gênero e o outro à orientação sexual – a criminalização da homofobia pelo STF, em junho de 2019, se estende a toda comunidade LGBT e também equipara atos transfóbicos ao crime de racismo. Nesta matéria aqui, explicamos como denunciar esse tipo de crime.