CORONAVÍRUS
Tudo o que você precisa saberÚltimas notícias e tudo que você precisa saber

Tensão entre EUA e Irã: veja as últimas notícias sobre o caso

Assassinato do general iraniano Qassim Soleimani pode ser o primeiro passo para uma grande guerra

Por: Redação

Na quinta-feira, 2 de janeiro, os EUA atacaram por drones um local perto do aeroporto de Bagdá, no Iraque, deixando morto o general iraniano Qassem Soleimani, o segundo nome mais poderoso do Irã. O ato aumentou ainda mais a tensão entre os países, chegando a ficar na iminência de uma Terceira Guerra Mundial.

A ordem do ataque foi dada pelo presidente Donald Trump, que culpa Soleimani pela morte de americanos e afirma que o ataque ao general se deu para “conter o terror” no país.

A partir de então, uma série de novos fatos aconteceram, inclusive o contra-ataque do Irã na noite de 7 de janeiro. Abaixo, você confere uma cronologia dos acontecimentos, e também todas as últimas notícias que se sucederem sobre a tensão entre os países.

6 contas de jornalistas no Twitter para acompanhar a tensão entre EUA e Irã

(Trechos estão hiperlinkados para as matérias originais, auxiliando você, leitor, a compreensão do caso)

O ataque

Na noite de 2 de janeiro, os EUA atacaram por drones a capital do Iraque, Bagdá, deixando morto o general iraniano Qassem Soleimani, chefe da Guarda Revolucionária Islâmica e segundo nome mais poderoso do país. Segundo as forças de segurança do Iraque, ao menos nove pessoas morreram no ataque.

Comandante desde 1998 da Força Al Quds, unidade de elite da Guarda Revolucionária do Irã, e apontado até como eventual futuro presidente do país persa, Soleimani era o principal estrategista e articulador das parcerias militares com seu país. Saiba mais sobre o general aqui.

qassim soleimani
Crédito: Reprodução/TV GloboÀ esquerda, o general Qassem Soleimani; à direita, o aiatolá Ali Khamenei

O Departamento de Defesa dos EUA divulgou uma declaração informando que “sob o comando do presidente [Donald Trump], as forças armadas dos EUA agiram defensivamente de forma decisiva, matando Qassem Soleimani para proteger os indivíduos americanos no exterior”.

Na sexta-feira, 3 de janeiro, a televisão iraquiana Ahad TV divulgou imagens que seriam do ataque aéreo realizado pelas forças norte-americanas. As imagens foram captadas por uma câmara de vigilância e mostram o momento em que o drone dispara e é possível ver uma explosão. Assista aqui.

Ameaça a Israel

Em 3 de janeiro, como uma resposta ao ataque dos EUA que matou o general iraniano Qassem Soleimani, a Guarda Revolucionária do Irã, que ela liderada por ele, afirmou, por meio de um porta-voz que “há preparação para destruir Israel”, segundo o canal de TV Iran International.

Em nota, o Irã afirmou que os Estados Unidos cometerem o “maior erro estratégico” no Oriente Médio” e serão responsáveis “pelas consequências desta aventura criminosa”.

O que o Brasil tem com isso?

No fim da tarde de 3 de janeiro, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) se pronunciou sobre a ofensiva americana. Ele acredita que se acontecer um conflito entre Irã e Estados Unidos, ele poderia representar “o fim da humanidade”, por causa do poder bélico que as duas nações têm em mãos.

Em contrapartida, o Twitter foi à loucura, levando a hashtag #BolsonaroFicaCalado aos trending topics, com medo de que Bolsonaro, em algum momento, demonstrasse apoio aos EUA e, consequentemente, gerasse uma situação conflituosa entre Brasil e Irã.

Crédito: Agência Brasil/Tânia RegoIrã pede explicações ao Brasil sobre apoio ao ataque norte americano

Apesar de Bolsonaro não ter dado declarações públicas que comprometessem a neutralidade brasileira, o Itamaraty divulgou uma nota apoiando a ação dos EUA e dando a entender que a diplomacia brasileira considerava Soleimani um terrorista.

Por conta disso, o governo do Irã convocou o representante brasileiro em Teerã, no domingo, 5 de janeiro, para pedir explicações, colocando assim o Brasil em uma situação de vulnerabilidade poucas vezes vista na história.

Ameaça de Trump

Na tarde de 5 de janeiro, o presidente Donald Trump fez novas ameaças ao Irã, caso o país persa opte por uma vingança. Em sua conta no Twitter, Trump disse que pode revidar “talvez de forma desproporcional” se algum americano for atingido pelo Irã.

trump
Crédito: Reprodução/InstagramTrump diz que haverá retaliação ‘desproporcional’ caso Irã resolva atacar

O funeral de Soleimani

O funeral do general Qassem Soleimani, em 7 de janeiro, levou milhões de iranianos às ruas, gerando imagens inacreditáveis. Entre pedidos de “fim aos EUA” e condolências pela morte do militar, um tumulto generalizado deixou ao menos 35 mortos e centenas de feridos na cidade de Kerman, no sul do Irã.

Imagens da TV estatal mostram pessoas caídas no chão, com os rostos cobertos, enquanto equipes de resgate tentavam reanimar outros feridos. O enterro de Soleimani foi adiado.

Manifestante faz homenagem a Qassem Soleimani nas ruas de Teerã
Crédito: Reuters/FolhapressManifestante faz homenagem a Qassem Soleimani nas ruas de Teerã

Irã contra-ataca

Na noite de terça-feira, 7 de janeiro, o Irã assumiu o ataque a duas bases militares que abrigam americanos no Iraque. O bombardeio contou com doze mísseis e foi atribuído à Guarda Revolucionária do país.

A TV oficial iraniana afirmou que “corajosos combatentes da marinha da Guarda Republicana lançaram uma operação bem-sucedida chamada ‘Mártir Suleimani’ para disparar dezenas de mísseis terra-terra na base das terroristas e invasoras forças armadas norte-americanas”.

Emissoras de televisão iranianas divulgaram imagens do contra-ataque. A FarsNews_Agency postou um vídeo creditando ao momento do contra-ataque iraniano.

Em seguida, o presidente Donald Trump fez uma publicação em seu Twitter afirmando que “tudo está bem” e que fará um pronunciamento na manhã de 8 de janeiro. Já a Guarda Revolucionária do Irã informou que os ataques são o primeiro passo da “dura vingança” pelo assassinato de Soleimani.

Americanos que vivem no Brasil: ‘cuidado’!

As embaixadas dos EUA ao redor do mundo, inclusive no Brasil, emitiram alerta para os norte-americanos que vivem fora de seu país para “manterem discrição” e “reverem planos de segurança pessoal”.

A embaixada no Brasil recomenda que os cidadãos fiquem alertas “sobre seu entorno” e “em locais frequentados por turistas”, e que tenham “documentos de viagem atualizados e facilmente acessíveis”. A representação americana afirma, ainda, que “continuará analisando a situação de segurança e fornecerá informações adicionais conforme necessário”.

Queda de avião no Irã

Um avião ucraniano com 167 passageiros e nove tripulantes caiu na manhã desta quarta-feira, 8, minutos após decolar do aeroporto de Teerã, capital do Irã, levantando inúmeras especulações de que o desastre poderia ter sido causado por conta da tensão com os EUA.

Porém, a imprensa oficial do país apontou “dificuldades técnicas” como a possível causa da tragédia e disse que o piloto não comunicou nenhuma situação de emergência antes da queda. Saiba mais aqui.

Discurso oficial do presidente Donald Trump

Após o contra-ataque do Irã a bases americanas no Iraque, o presidente Donald Trump fez um breve pronunciamento no início da tarde desta quarta-feira, 8 de janeiro. Ele afirmou que nenhum norte-americano foi morto no atentado, e que não pretendem usar a força militar contra o Irã.

Trump prometeu novas sanções. “Nós vamos continuar enviando respostas até que o Irã mude seu comportamento”, disse. “Enquanto eu for presidente dos EUA, o Irã não terá uma bomba atômica”, continuou. O presidente dos EUA também declarou que vai pedir à Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) que se envolva mais no Oriente Médio.

donald trump
Crédito: Reprodução/TV GloboDonald Trump em pronunciamento oficial na Casa Branca

Novo ataque não tem autoria reivindicada

Dois foguetes caíram na Zona Verde de Bagdá, no Iraque, abriga prédios governamentais e missões estrangeiras, na noite desta quarta-feira, 8, 24 horas depois que o Irã lançou mísseis contra duas bases americanas no país. Até o momento, não há relatos sobre vítimas e nem detalhes sobre a origem dos disparos. Saiba mais aqui.

Ataque a bases dos EUA no Iraque foi só o início

O chefe da Força Aeroespacial da Guarda Revolucionária do Irã afirmou nesta quinta-feira, 9, que ataque a bases dos Estados Unidos (EUA) no Iraque, no último dia 7, foi só o início de uma série de ataques contra os Estados Unidos no Oriente Médio, informou a TV estatal iraniana. Para Amirali Hajizadeh, a “vingança apropriada” pela morte do general iraniano Qassem Soleimani será expulsar as forças americanas na região. Saiba mais aqui.

Atualizaremos esta publicação diariamente com as últimas notícias sobre o caso.

1
Como vai funcionar a renda básica emergencial de R$ 600?
Os trabalhadores de baixa renda sem carteira assinada vão poder contar com uma renda básica emergencial do governo para lidar …
2
Bolsonaro prefere ser ‘do contra’ e luta sozinho contra o isolamento social
O presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), insiste em desafiar as recomendações do Ministério da Saúde e da Organização …
3
E se Bolsonaro foi contaminado com coronavírus?
O que não passava de pura especulação e teoria da conspiração tem ganhado ares de verdade com novos capítulos envolvendo …
4
Coronavírus: Câmara aprova auxílio de R$600 para pessoas de baixa renda
A Câmara dos Deputados aprovou na quinta-feira, 26, uma medida que prevê o pagamento de R$600 para trabalhadores de baixa …
5
Bolsonaro e o coronavírus: um presidente na contramão do mundo
O pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na noite de terça-feira, 24, pegou de surpresa integrantes do governo e …
6
Entenda a MP da Morte: da polêmica e revogação por Bolsonaro até o erro de redação de Guedes
Em apenas uma canetada o presidente Jair Bolsonaro autorizou empresas a suspenderem contratos com seus empregados por 4 meses, sem …
7
Coronavírus no RJ: a situação dos transportes e dos comércios
O Rio de Janeiro adotou medidas mais severas para conter o avanço do novo coronavírus. O governador do estado, Wilson …
8
Eduardo Bolsonaro cria crise diplomática ao culpar a China pelo coronavírus
O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) meteu o pé pelas mãos, botou a culpa do coronavírus totalmente na China e …