CORONAVÍRUS
Loading...
Últimas notícias e tudo que você precisa saberAtualizando informações
Infectados-
Mortes-
Recuperados-

Bruna Linzmeyer admite usar privilégios brancos para se assumir lésbica

Atriz lamentou racismo sofrido por artistas, que perderam espaço na carreira após se assumirem

Por: Redação

Militante da causa LGBTQI+, Bruna Linzmeyer revelou ser bissexual há quase três anos e admitiu ter sentido medo de assumir que se relaciona amorosamente com mulheres. Apesar disso, a atriz reconheceu que os obstáculos que enfrentou são muito pequenos perto daqueles que lésbicas negras enfrentam.

bruna linzmeyer
Crédito: Reprodução/Instagram Bruna Linzmeyer falou sobre racismo e homofobia no ambiente de trabalho

A artista, que ficou conhecida por diversos papeis em novelas da TV Globo, confessa que não só ela, mas muitos a sua volta, temeram que ela perdesse trabalhos.

“Sabia de muitas atrizes de dez, 20 anos atrás que nunca mais fizeram nada de relevante depois que se assumiram. A gente sabe hoje de pessoas que ainda têm medo. Por eu ser branca, de olhos azuis e considerada bonita, é mais fácil eu dizer que sou sapatão. O preconceito é menor”, declarou numa live com o jornalista André Fischer.

Bruna disse ainda que sabe que foi uma das pioneiras de sua geração a falar abertamente sobre sua sexualidade: “Tornei isso possível para outras meninas, assim como algumas mulheres, que vieram antes de mim, tornaram possível para mim”, completou.


Como identificar a homofobia

Em alguns casos, a discriminação pode ser discreta e sutil, como negar-se a prestar serviços. Não contratar ou barrar promoções no trabalho e dar tratamento desigual a LGBT são atos homofóbicos também.

Mas muitas vezes o preconceito se torna evidente com agressões verbais, físicas e morais, chegando a ameaças e tentativas de assassinato.

Qualquer que seja a forma de discriminação, é importante que a vítima denuncie o ocorrido. A orientação sexual ou a identidade de gênero não deve, em hipótese alguma, ser motivo para o tratamento degradante de um ser humano.

Homofobia é crime!

Desde junho de 2019, o Supremo Tribunal Federal decidiu que o crime de homofobia deve ser equiparado ao de racismo.

Os magistrados entenderam que houve omissão inconstitucional do Congresso Nacional por não editar lei que criminalize atos de homofobia e de transfobia. Por isso, coube ao Supremo aplicar a lei do racismo para preencher esse espaço.

Entretanto, apesar da notícia positiva, poucos LGBT sabem o que podem fazer caso sejam vítimas de algum crime do tipo.

Como denunciar pela internet

Em casos de homofobia em páginas da internet ou em redes sociais, é necessário que o usuário acesse o portal da Safernet e escolha o motivo da denúncia.

Feito isso, o próximo passo é enviar o link do site em que o crime foi cometido e resumir a denúncia. Aproveite e tire prints da tela para que você possa comprovar o crime. Depois disso, é gerado um número de protocolo para acompanhar o processo.

Há aplicativos que também auxiliam na denúncia de casos de homofobia. O Todxs é o primeiro aplicativo brasileiro que compila informações sobre a comunidade, como mapa da LGBTfobia, consulta de organizações de proteção e de leis que defendem a comunidade LGBT.

Pelo aplicativo também é possível fazer denúncias de casos de homofobia e transfobia, além de avaliar o atendimento policial. A startup possui parceria com o Ministério da Transparência-Controladoria Geral da União (CGU), órgão de fiscalização do Governo Federal, onde as denúncias contribuem para a construção de políticas públicas.

Com a criminalização aprovada pelo STF, o aplicativo Oi Advogado, pensado para conectar pessoas a advogados, por exemplo, criou uma funcionalidade que ajuda a localizar especialistas para denunciar crimes de homofobia.

Delegacias
Toda delegacia tem o dever de atender as vítimas de homofobia e de buscar por justiça. Nesses casos, é necessário registrar um Boletim de Ocorrência e buscar a ajuda de possíveis testemunhas na luta judicial a ser iniciada.

As denúncias podem ser feitas também pelo 190 (número da Polícia Militar) e pelo Disque 100 (Departamento de Ouvidoria Nacional dos Direitos Humanos).

Em alguns estados brasileiros, há órgãos públicos que fazem atendimento especializado para casos de homofobia. Saiba mais informações sobre homofobia, clicando aqui.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.