Documento pode provar união estável entre Gugu e Rose Miriam

Rose Miriam, que ficou fora do testamento de Gugu Liberato, apresentou à Justiça brasileira um documento em inglês que a chama de "companheira"

Por: Redação
Ouça este conteúdo

Em mais um capítulo do caso envolvendo o testamento de Gugu Liberato, morto em novembro de 2019, a mãe dos herdeiros, Rose Miriam, teria conseguido juntamente com seus advogados um documento dos Estados Unidos que comprova a sua união estável com o apresentador e assim poderia ter direito também à herança, como os filhos e sobrinhos.

Documento pode provar união estável entre Rose Miriam e Gugu Liberato
Crédito: Reprodução/InstagramDocumento pode provar união estável entre Rose Miriam e Gugu Liberato

O que acontece é que os filhos de Gugu e Rose foram morar com ela nos Estados Unidos de forma permanente desde 2015. Em 2016, ela entrou com pedido de Green Card (visto de permanência) para ela e para os filhos.

Uma das maneiras de adquirir o Green Card é investir uma certa quantia no país norte-americano. De acordo com as regras de 2016,  a quantia seria de US$ 500 mil.

O governo exige que a precedência do dinheiro seja comprovada, então Gugu chegou a fazer uma doação à Rose em forma documental e é nesse trecho que o caso ganha uma nova história.

O documento

No processo de solicitação de imigração americana contém uma declaração de Gugu. Este documento que está em inglês foi registrado em cartório e passou por uma tradução juramentada, a pedido dos advogados de Rose Miriam. A declaração, assinada por Gugu, diz que ele dizia ter uma fortuna de mais de R$ 200 milhões.

A tradução do documento diz:  “tenho uma companheira de muitos anos, rose Mirian Souza Di Matteo, que é mãe de nossos três filhos: João, Marina e Sofia”. O texto também fala: “presenteei US$ 555 mil da minha conta para uso pessoal da minha companheira”. E no final, ele alega: “declaro que o que acima exposto é verdadeiro e correto, tanto quanto é do meu conhecimento, sob pena de perjúrio”.

Na última semana, foi apresentado a tradução do documento à Justiça brasileira que analisa o processo de reconhecimento de união estável encabeçado por Rose.

Entenda o caso

Desde que Gugu morreu em novembro de 2019, a perpetuação da história de quem ficaria com sua herança continua rolando na Justiça e também dentro da própria família do apresentador.

A divisão dos bens do milionário mexeu com a cabeça dos familiares, até porque em testamento Liberato deixou 75% de sua fortuna aos três filhos: João Augusto, de 18 anos, e as gêmeas Marina e Sofia, na época com 15 anos. Os outros 25% ficaram para os sobrinhos do apresentador, enquanto a mãe dele, Maria do Céu, recebe uma pensão mensal de R$100 mil.

A grande questão é que Rose Miriam ficou fora do testamento de Gugu. A médica teve direito apenas à mesada de R$40 mil que ele dava em vida para ela e uma mansão em Alphaville no valor de R$6 milhões.

Em dezembro de 2019, menos de um mês após a morte do comunicador, uma briga judicial iniciou, pois Rose quer provar na Justiça que tinha uma união estável com Liberato e, por isso, teria direito à herança também.

A médica também não concordava com o fato de a parte da herança que ficou para as gêmeas ser supervisionada por Aparecida Liberato, irmã de Gugu, até elas completarem 18 anos (em 2022), e não por ela, que é mãe das meninas.

Em maio, um suposto namorado de Gugu Liberato, Thiago Salvático, também tinha entrado na disputa pela herança. Tentou provar a união com fotos junto com Gugu em diversos países, mas no fim ele desistiu e pediu a Justiça a retirada do processo.

Compartilhe: