O que fazer com a fome do inverno?

Uma maneira possível de passar pelo friozinho sem medo de comer é manter-se atento aos sinais do corpo; veja as dicas!

Por: Marcela Kotait

Muita gente passou o outono em casa. A estação que começou junto com o período de isolamento social, no dia 20 de março, agora despede-se dando espaço à estação mais fria do ano: o inverno. E com o frio vem o aumento do apetite e, naturalmente, o medo de engordar. Mas o que é verdade e o que é mito sobre a relação entre a temperatura e a fome do inverno?

Muitas pesquisas respondem essa dúvida de maneira clara e pragmática. O que acontece é que nosso corpo no inverno gasta mais energia para manter a temperatura, ou seja, aumenta o metabolismo, e, assim, precisa de uma maior quantidade de calorias para compensar esse esforço. O aumento do metabolismo aumenta a sensação de fome; com mais fome, comemos mais. Mas não há motivo para preocupações ou tentativas malucas de dietas.

As dietas não são sustentáveis a longo prazo, o que é comprovado pelos números: 95% das pessoas reganha o peso perdido depois de fazer restrição alimentar. E isso não será diferente se você tentar fazer regime no frio que vem por aí… Quando chegar a primavera, ela trará de volta os quilos perdidos, ou até mais.

fome do inverno
Crédito: Nortonrsx/istockDieta não é a melhor estratégia para lidar com a fome do inverno

Além disso, passar a estação com pensamentos obsessivos por comida, ocasionando o aumento do risco de desenvolver episódios de compulsão ou exagero alimentar, também não parece uma boa escolha.

Uma maneira possível de passar pelo friozinho sem medo de comer é manter-se atento aos sinais do corpo. Assim como quando sentimos frio colocamos um casaco, devemos perceber a fome e a saciedade. Quando o estômago estiver vazio, acompanhado dos sinais característicos da sensação de fome, é hora de comer. Quando ele estiver confortavelmente cheio, mandando sinais da sensação de saciedade, é então hora de parar.

É claro que alguns alimentos são típicos desses próximos meses: sopas, chás, massas, caldos e queijos são exemplos de alimentos preferidos por muita gente. E não há problema em planejar a presença deles na rotina alimentar. As vontades genuínas podem fazer parte de um inverno mais gostoso. A permissão incondicional para comer nos ajuda a entender melhor os motivadores para nos alimentarmos, inclusive no inverno.

Não demore para tirar aquele edredom do armário e nem para fazer aquela sopinha caprichada, receita da sua mãe. Comer no inverno também traz consigo seus significados e pode ser uma estação de prazer e conforto; afinal, a comida tem o poder transformador de ser aconchegante também nesta estação.