‘Vamos tocar a vida’, diz Bolsonaro sobre país atingir 100 mil mortes por covid

Presidente também culpou “alguns” prefeitos e governadores pela alta do desemprego.

Por: Redação

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) desdenhou mais uma vez das mortes por covid-19 no país, que devem chegar a 100 mil.  Em transmissão pelas redes sociais, nesta quinta-feira, 6, Bolsonaro disse que é preciso tocar a vida e buscar formas de superar o novo coronavírus.

“A gente lamenta todas as mortes, está chegando ao número 100 mil… mas vamos tocar a vida e buscar uma maneira de se safar desse problema”, disse o presidente, ao lado do ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello.

Bolsonaro
Crédito: Reprodução/Facebook‘Vamos tocar a vida’, diz Bolsonaro sobre marca de 100 mil mortos por coronavírus no país

Ontem, o Brasil registrou 1.237 novas mortes em decorrência do coronavírus, atingindo o total de 98.493 óbitos. O número emblemático de 100 mil óbitos deve ser atingido entre esta sexta-feira ou sábado.


#NessaQuarentenaEuVou – Dicas durante o isolamento:


O Brasil é o segundo país com o maior número de mortos pela covid-19, atrás apenas dos Estados Unidos, que somam mais de 160 mil vítimas. A Índia, terceiro país da lista, tem pouco mais de 40 mil óbitos.

. Live de fatos da semana!. Assista também no nosso canal do YouTube: https://youtu.be/Ea5ZK0Fr5TM. Ministério da Saúde

Posted by Jair Messias Bolsonaro on Thursday, August 6, 2020

Na live semanal, o presidente Bolsonaro também responsabilizou “alguns” prefeitos e governadores pela alta do desemprego. Ele criticou as medidas mais drásticas de fechamento de atividade econômica, como lockdowns, e citou que a perda de empregos é um “efeito colateral” mais grave do que o causado pelo próprio vírus.

Nesta quinta-feira, o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulgou que o Brasil encerrou o segundo trimestre de 2020 com a maior taxa de desemprego em três anos e redução recorde no número de pessoas ocupadas, como consequência das medidas de contenção da pandemia de coronavírus.

Compartilhe: