Droga anunciada como promissora contra coronavírus passa a ser controlada

Medida vai permitir que pacientes que já utilizam o medicamento não fiquem sem tratamento

Por: Redação
Ouça este conteúdo

Após os Estados Unidos anunciarem que a hidroxicloroquina e cloroquina são promissoras no tratamento contra o novo coronavírus e as drogas desaparecerem de algumas farmácias em São Paulo, a Anvisa resolveu enquadrar os medicamentos como produtos de controle especial.

A medida é para evitar que pessoas que não precisam da droga provoquem um desabastecimento no mercado. A falta do produto pode deixar os pacientes com malária, lúpus e artrite reumatoide sem os tratamentos adequados.

remédio na caixinha

A agência esclareceu que, apesar de alguns resultados promissores, não há nenhuma conclusão sobre o benefício do medicamento no tratamento do novo coronavírus.

Ou seja, não há recomendação da Anvisa, no momento, para a sua utilização em pacientes infectados ou mesmo como forma de prevenção à contaminação pelo novo coronavírus.

Como ficam os pacientes que já precisam do medicamento?

Os pacientes que já fazem uso do medicamento poderão continuar utilizando sua receita simples para comprar o produto durante o prazo de 30 dias. A receita será registrada pelo farmacêutico que já está obrigado a fazer o controle do medicamento no momento da venda.

A nova categoria significa que o medicamento só poderá ser entregue mediante receita branca especial em duas vias. Médicos que fazem a prescrição de hidroxicloroquina ou cloroquina já devem começar a utilizar este formato.

A hidroxicloroquina já estava enquadrada como medicamento sujeito à prescrição médica. Com a nova categoria a venda irregular pelas farmácias é considerada infração grave. O uso sem supervisão médica também pode representar um alto risco à saúde das pessoas.

Ontem, a Anvisa já tinha publicado uma nota técnica não recomendando o uso das medicações contra o novo coronavírus.