CORONAVÍRUS
Loading...
Últimas notícias e tudo que você precisa saberAtualizando informações
Infectados-
Mortes-
Recuperados-

Psicólogos formam rede solidária de apoio em tempos de isolamento social

Psicólogos, psicanalistas e outros profissionais criam iniciativas de solidariedade e de escuta para dar suporte emocional durante a pandemia

Por: Silvia Melo

Em meio à avalanche de notícias sobre o avanço do novo coronavírus, o momento é de escuta, apoio, acolhimento e solidariedade. Em todo o Brasil, inciativas desse tipo pipocam a todo instante e formam um poderosa rede de ajuda mental.

Francisco Nogueira faz parte de um grupo de 35 psicólogos e psicanalistas que prestarão atendimento online e gratuito a quem precisar durante todo o período de quarentena e isolamento. As escutas já começaram.

“As duas palavras que mais aparecem são medo e ansiedade. As pessoas estão muito desorganizadas, sofrendo muito, se sentindo muito ameaçadas pela história do vírus, com medo de se contaminar, de perder entes queridos, preocupadas com os pais”, observa o psicanalista criador do projeto.

O papel de Francisco é dar suporte, ouvir e mostrar que existe um fim para o momento em que estamos vivendo. “Uma coisa que eu tenho falado muito é que vai passar, é uma fase, é temporário.”

O acolhimento feito por ele e os outros 34 profissionais começa com o acesso à plataforma Relações Simplificadas, desenvolvida especialmente para este propósito. A pessoa interessada faz um cadastro, agenda com um horário com um profissional e aguarda o contato dele. As conversas acontecem por vídeo-chamada e duram 30 minutos.

psicólogo atendendo online
Crédito: Arquivo pessoalRede de profissionais da saúde mental trabalham voluntariamente durante a pandemia de coronavírus

Segundo Nogueira, não se trata de terapia online, porém, essa escuta ajuda quem mais precisa a enfrentar o momento atual, diminuir a solidão e ajeitar os pensamentos e sentimentos internos.

Dessa conversa, pode surgir ou não o encaminhamento para uma terapia ou atendimento psiquiátrico, dependendo do quadro da pessoa. “Um trabalho que eu tenho feito muito nessa escuta é de reconectar a pessoa com coisas boas e recursos que ela tem. Às vezes, nesse desespero, ela esquece e deixa de lado. E isso, de uma certa maneira, traz um certo conforto e uma orientação para ela”, diz.

Além  da escuta, o projeto também publica uma série de vídeos que ajudam a cuidar do nosso emocional. Confira um deles:

Demanda por saúde mental explode

O número de pessoas que têm buscado por esse tipo de serviço nos últimos dias mostra que eles realmente se fazem necessários neste momento. Em 72 horas, o site de aconselhamento terapêutico online “A Chave da Questão” bateu quase um milhão de acessos e recebeu cerca de 200 mensagens por minuto. O acesso aumentou vertiginosamente depois que mensagens começaram a circular nos grupos de WhatsApp divulgando o atendimento psicológico gratuito.

“Pessoal! Se vocês souberem de alguém que não está sabendo lidar com o isolamento por causa da COVID-19, e que está ficando ansioso, depressivo, agressivo, compulsivo ou com medo demais, podem indicar o site A Chave da Questão. Nesse site, tem diversos psicólogos conectados que poderão ajudar essas pessoas a lidarem com as próprias dificuldades. Eles estão atendendo online, completamente de graça, as pessoas que estão precisando de ajuda. Divulguem! Todos devem ficar em casa e podem ficar bem, com saúde emocional!”, dizia a mensagem.

A ideia de disponibilizar psicólogos gratuitamente para atendimento online começou dias após o Ministério da Saúde recomendar isolamento social e a tensão aumentar no país. Só que a mensagem circulou tanto que a demanda foi muito maior do que a capacidade de atendimento dos profissionais voluntários.

“Entendemos que o trabalho não alcançaria de forma ampla a quem estava procurando, então, agora estamos interagindo com videoaulas, lives e informações seguras em nossas redes sociais”, explicou a coordenadora do projeto Fátima Marques.

Hoje, o acolhimento continua só que de maneira diferente. Através do Facebook e do Instagram, o grupo ouve, orienta e dá dicas não só comportamentais, mas também de alimentação e atividades físicas e lúdicas para aliviar o estresse causado pela situação de confinamento.



Sessões de terapia na tela do smartphone

Contra o medo, angústia e solidão, outra iniciativa que ganhou força nas redes sociais é a da startup Bem Care, que liberou acesso de graça a seus psicólogos online por seis meses.

O objetivo é o mesmo das iniciativas já citadas anteriormente: levar apoio emocional, orientação e equilíbrio a quem precisa. As sessões de terapia acontecem por meio do aplicativo, que está disponível para Android e iOS.

Para agendar uma sessão, basta acessar o site e preencher o cadastro com o número de celular. Na sequência, um SMS é enviado com a confirmação de que o Psicólogo Online foi ativado e um link para fazer o download do app no celular. A partir daí, é só abrir o aplicativo, escolher uma psicóloga e agendar uma sessão. A terapia pode ser feita por videochamada, ligação ou chat.

Atendimento para pessoas acima dos 50 anos

O Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas de São Paulo também reforça essa rede, oferecendo atendimento online gratuito para pessoas acima de 50 anos e também para pessoas que atuam na área da saúde. As sessões, com duração de 20 minutos, acontecem de segundas a sextas-feira, entre 8h e 18h.

Oito psicoterapeutas do Grupo de Envelhecimento do Laboratório de Neurociências do IPQ estarão responsáveis pelos atendimentos. Quem se interessar, pode obter mais informações através do e-mail grupopsicorpo@gmail.com.

Frente a esse novo cenário de medo e incertezas, a Organização Mundial da Saúde (OMS) também se atentou à importância do cuidado com a saúde mental e criou um guia com orientações para profissionais de saúde, pessoas em quarentena, idosos, crianças e população em geral. Consulte aqui.

Se você conhece outras iniciativas como essas, compartilhe com sua rede de contatos, pode ser que tenha alguém precisando neste momento. 

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Por: Silvia Melo