SUS realiza primeira cirurgia para curar diabetes

Procedimento, que era realizado apenas na rede privada, passará a ser oferecido gratuitamente na rede pública de saúde do DF

Por: Redação | Comunicar erro
médicos durante a cirurgia
Crédito: Breno Esaki/Saúde-DF/DivulgaçãoPaciente não respondia ao tratamento para diabetes

O Hospital Regional da Asa Norte (Hran), do Distrito Federal, realizou na última terça-feira, 25, a primeira cirurgia metabólica para reverter o diabetes pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Antes, o procedimento era realizado de forma experimental apenas na rede privada.

A paciente que passou pelo procedimento não respondia ao tratamento clínico para a doença, segundo os médicos, e por isso a intervenção se apresentou como a única alternativa possível para reverter o quadro.

O procedimento é uma espécie de cirurgia bariátrica de redução do estômago e foi reconhecida, em 2017, pelo Conselho Federal de Medicina como uma terapia de cura do tipo 2 da doença. Com essa intervenção, é possível reduzir as taxas de glicose no organismo e ainda estimular a produção de substâncias que reduzem a resistência à insulina.

Cirurgia metabólica

cirurgiões
Crédito: shapecharge/istockIntervenção é indicada apenas para pacientes com diabetes tipo 2

Na operação, considerada minimamente invasiva, o estômago é cortado em duas partes é transformado em um tubo, com capacidade de 80 a 100 mililitros (ml). Assim, o alimento é desviado para mais próximo do final do intestino. Como consequência da intervenção, os pacientes acabam perdendo peso.

Nem todos os diabéticos têm indicação para a cirurgia. Ela é recomendada a pacientes que possuem diabetes mellitus Tipo 2 (DM2), com Índice de Massa Corporal entre 30 Kg/m2 a 35 Kg/m2 e que não apresentam respostas ao tratamento clínico.

Outros critérios para a indicação da cirurgia metabólica são a idade mínima de 30 anos e máxima de 70 anos e ter menos de dez anos de diagnóstico de diabetes.

Diabetes tipo 2

A pessoa que sofre com diabetes tipo 2 tem uma produção insuficiente de insulina pelo pâncreas, ou não consegue aproveitar de forma eficiente a quantidade de insulina produzida.

Esse tipo de diabetes está diretamente relacionado ao sobrepeso, sedentarismo e hábitos alimentares inadequados. Embora seja uma doença mais comum em pessoas acima dos 40 anos, o número de diagnósticos do tipo 2 vem crescendo entre indivíduos mais jovens.

Cegueira, infarto, insuficiência renal e amputações estão entre as complicações da doença.

Compartilhe:

1 / 8
1
04:53
Netflix e KondZilla lançam ‘Sintonia’, da periferia para o mundo
KondZilla tem razão quando afirma: "A favela venceu". “Sintonia”, a nova série da Netflix, prova isso. A ideia original é dele …
2
04:21
Sinais que indicam problemas no estômago
Ter tosse seca pode ser um sinal que o seu estômago não vai muito bem. Hoje, o Dr. Raul Cutait, médico …
3
03:43
O estrago de Frota é maior que o Bolsonaro poderia acreditar
Após ser expulso do PSL, o deputado federal Alexandre Frota confirmou sua filiação ao PSDB, partido de João Doria, governador …
4
03:03
Câmara aprova projeto de lei sobre abuso de autoridade
A Câmara dos Deputados aprovou o projeto de lei que define quais situações configuram abuso de autoridade. Agora, o texto …
5
04:07
Um pedido de desculpas à Angela Merkel pelas ofensas de Bolsonaro
Depois de dizer a um repórter que ele deveria fazer cocô dia sim, dia não para preservar o meio ambiente, …
6
03:26
Mortes provocadas pelo fim dos radares deveriam ter nome de Bolsonaro
O presidente Jair Bolsonaro determinou nesta quinta-feira, 15, a suspensão dos radares de fiscalização de velocidade móveis em rodovias federais …
7
04:56
‘Risk’, na Netflix, vaza a imagem não autorizada de Julian Assange
Será que, em um ato de coragem, você arriscaria sua própria liberdade para trazer à tona realidades que manipulam a …
8
07:44
Saiba tudo sobre os métodos anticoncepcionais
Prevenção é essencial quando o assunto é relação sexual. Hoje, há outros modos de prevenção que vão além da pílula e …