Plasma de cavalos dá origem a soro superpotente contra coronavírus

Estudo mostra que soro é até 50 vezes mais potente que o vírus

Por: Redação
Ouça este conteúdo

Cientistas brasileiros abriram caminho para um possível tratamento conta a covid-19. Eles descobriram que o plasma de cavalos pode virar um soro hiperimune até 50 vezes mais potente que os plasmas de pessoas infectadas com o novo coronavírus.

Com os resultados positivos, os pesquisadores já entraram com o pedido de patente para garantia do processo tecnológico produzido no Brasil. A ideia é que o soro seja usado como tratamento, por meio de uma imunoterapia, ou imunização passiva, que seria complementar à vacina, quando essa surgir.

O estudo é uma parceria entre o Instituto Vital Brazil e a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e será publicado nesta quinta-feira, 13, em sessão científica na Academia Nacional de Medicina (ANM).

Criação do soro

O primeiro passo para a criação do soro foi a imunização dos cavalos, que receberam a proteína S recombinante do novo coronavírus produzida em laboratório para que criassem anticorpos. Após 70 dias, os plasmas dos equinos apresentaram os anticorpos neutralizantes.

O soro hiperimune contra o coronavírus é parecido com os usados contra a raiva, que também é um vírus. Quando aplicado em pessoas que possivelmente tiveram contato com o vírus, ele impede que o agente viral se manifeste no corpo do infectado.

soro criado com plasma de cavalos protege contra coronavírus

Os pesquisadores se dizem otimistas com a ideia da soroterapia, um tratamento bem-sucedido e usado, há décadas, contra doenças como raiva, tétano e picadas de abelhas, cobras e outros animais peçonhentos, como aranha e escorpiões.

Agora, os próximos passos envolvem a aprovação pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e pela Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep).

Como essa é uma tecnologia já muito conhecida pelo Instituto Vital Brazil, os pesquisadores esperam poder pular a fase de testes pré-clínicos e partir direto para os testes com seres humanos, que devem focar os pacientes internados com covid-19. Os estudos clínicos ocorrerão em parceria com o Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino (Idor).


#NessaQuarentenaEuVou – Dicas durante o isolamento: