Veículos de comunicação se unem para divulgar dados reais da covid-19

Jornalismo irá na contramão do que o governo Bolsonaro está fazendo e informará a população com números corretos

Por: Redação

Os veículos de comunicação Estado de S.Paulo, Folha de S.Paulo, O Globo, Extra, G1 e UOL tomaram a iniciativa de, juntos, trabalharem fazendo o contrário do governo Jair Bolsonaro (sem partido), que está restringindo o acesso a dados sobre a pandemia de covid-19.

Agora em parceria e de forma colaborativa, as empresas buscam por informações necessárias para a campanha nos 26 Estados e no Distrito Federal.

vacina coronavírus
Crédito: FilippoBacci/istockVeículos de comunicação passarão a divulgar dados exatos da covid-19

Os veículos vão coletar os números nas secretarias estaduais de Saúde e cada órgão divulgará o resultado em seus respectivos canais.

De acordo com o Estadão, as equipes de todos os veículos vão dividir tarefas e compartilhar as informações para que os brasileiros possam saber, de fato, a evolução e o total de óbitos provocados pela doença do novo coronavírus.


#NessaQuarentenaEuVou – Dicas durante o isolamento:

Lista de serviços de acolhimento emocional à distância
3 motivos para curtir a sua própria companhia
5 dicas essenciais para os ansiosos de plantão
4 dicas de autocuidado com a saúde mental
3 tipos de meditação para dormir melhor
Receitas de doces e salgados para você testar
Cursos e plataformas online para estudar
Agenda de lives para dançar e cantar no quarto


A população também terá acesso aos números consolidados de casos testados e com resultado positivo a enfermidade. Ainda segundo a publicação, as atualizações serão finalizadas diariamente às 20h.

Nas últimas semanas, o Ministério da Saúde passou por mudanças na forma de contabilizar os dados da pandemia. Os governantes reduziram a quantidade dos dados. Primeiro, o horário de divulgação, que era às 17h na gestão do ministro Luiz Henrique Mandetta (até 17 de abril), passou para às 19h e depois para às 22h.

“Acabou matéria no Jornal Nacional”, disse o presidente Jair Bolsonaro, em tom de deboche.

Depois, o portal do ministério, onde era divulgado o número de mortos e contaminados, foi retirado do ar. Quando retornou, depois de mais de 19 horas, passou a apresentar apenas informações sobre os casos “novos”, ou seja, registrados no próprio dia.

A última mudança foi no último domingo, 7, quando o governo anunciou que voltaria a informar seus balanços completos sobre a doença. Porém, os dados mostrados eram conflitantes.

“A missão do jornalismo é informar. Em que pese a disputa natural entre veículos, o momento de pandemia exige um esforço para que os brasileiros tenham o número mais correto de infectados e óbitos. Face à postura do Ministério da Saúde, a união dos veículos de imprensa tem esse objetivo: dar aos brasileiros um número fiel”, afirmou Ali Kamel, diretor-geral de Jornalismo da Globo (TV Globo, GloboNews e G1).

“É triste ter que produzir esse levantamento para substituir uma omissão das autoridades federais. Transparência e honestidade deveriam ser valores inabaláveis na gestão dessa pandemia. Vamos continuar cumprindo nossa missão, que é informar a sociedade”, afirmou João Caminoto, diretor de Jornalismo do Grupo Estado.