Tudo sobre Flordelis e o assassinato do pastor Anderson, seu marido

Acompanhe os desdobramentos e as últimas notícias da denúncia por aqui

Por: Redação
Ouça este conteúdo

O assassinato do marido da deputada federal Flordelis (PSD-RJ), o pastor Anderson do Carmo, em junho de 2019, se tornou uma grande polêmica nacional no final de agosto após o Ministério Publico do Rio de Janeiro (MP-RJ) denunciar a parlamentar evangélica, eleita em 2018 ao surfar na onda do bolsonarismo, como mandante do crime.

Crédito: Reprodução/InstagramTudo sobre Flordelis e o assassinato do pastor Anderson, seu marido

A acusação contra Flordelis tem vários desdobramentos. Para ajudar você leitor a compreender o que está acontecendo, nós preparamos este conteúdo. Nele contamos de forma cronológica tudo sobre o caso que se tornou de conhecimento público até agora.

É importante salientar que o caso ainda não foi julgado pela Justiça, portanto não é possível apontar culpados ou inocentes.

ENTENDA POR QUE FLORDELIS NÃO FOI PRESA PELO ASSASSINATO DO MARIDO

16 de junho de 2019

Na madrugada de domingo, 16, o marido da deputada federal Flordelis foi assassinado em Pendotiba, Niterói, região metropolitana do Rio de Janeiro. o Pastor Anderson do Carmo de Souza foi executado a tiros por volta das 4h.

Segundo informações, a equipe do 12º BPM recebeu contato com informação de uma tentativa de homicídio no local onde Anderson foi baleado. A vítima foi socorrida pelos familiares e levada para o Hospital Niterói D’Or, porém não resistiu aos ferimentos.

Neste momento, a polícia trabalhava com a possibilidade de latrocínio, que é o roubo seguido de morte.

Horas após o caso ser repercutido na imprensa, Flordelis se manifestou pela primeira vez.

Segundo Flordelis, Anderson evitou que criminosos invadissem a casa da família e, por isso, teria sido morto.

“Eu só fui dar um passeio com meu marido, mais nada. Um passeio que acabou dessa forma, perdendo a vida para tentar proteger a casa, a família. O que ele tentou foi evitar que abrissem o portão da garagem e entrassem na casa. Ele sacrificou a vida dele pela família, não permitindo que eles entrassem dentro de casa”, disse.

18 de junho de 2019

Dois dias depois, Lucas Cézar dos Santos de Souza, filho adotivo de Flordelis, confessou em depoimento à polícia na Delegacia de Homicídios de Niterói e São Gonçalo (DHNSG), Rio de Janeiro (RJ), que matou pai a mando de irmão, Flávio Rodrigues de Souza, de 38 anos, filho biológico da deputada federal

Segundo o jornal Extra, o motivo do crime teria sido uma traição de Anderson, que estaria mantendo uma relação amorosa extraconjugal. Entretanto, Lucas se contradisse ao ver imagens de câmeras de segurança, confessou o crime e acusou Flávio.

20 de junho de 2019

Passados mais dois dias, o filho biológico Flávio admitiu, em depoimento, ter dado seis tiros no pai. Segundo Flávio, seu irmão mais novo, Lucas dos Santos, de 18 anos, teria ajudado a comprar a arma usada no crime.

Também no dia 20, a Justiça do Rio de Janeiro aceitou o pedido da Polícia Civil e determinou a prisão temporária de Lucas e Flávio. A solicitação foi feita após os investigadores realizarem uma acareação entre Flávio e Lucas.

Nesse mesmo dia, foi divulgado o laudo do IML que mostrou que a Anderson do Carmo estava com 30 perfurações em todo o corpo.

25 de junho de 2019

Em depoimento, Flordelis diz não saber onde está o celular do marido. Segundo informações do advogado de Flordelis, Fabiano Leitão Migueis, confirmadas ao UOL, mais de 40 celulares foram apreendidos na residência em que Flordelis morava com o pastor e nenhum auto de apreensão foi entregue à família sobre esses aparelhos recolhidos.

Além do celular de Anderson, a polícia também diz que o telefone móvel de Flávio dos Santos Rodrigues, 38, está desaparecido. Filho biológico de Flordelis e enteado de Anderson, Flávio é apontado pela polícia como o autor de seis disparos que mataram Flávio.

26 de junho de 2019

O mistério em torno do desaparecimento do celular do pastor Anderson Carmo ganhou um novo desdobramento, depois que a Polícia Civil do Rio de Janeiro (RJ) descobriu que o aparelho do marido de Flordelis foi utilizado horas depois de sua morte. De acordo com o “G1”, pelo menos duas mensagens foram encaminhadas do celular para grupos de amigos.

Em uma das mensagens a pessoa se identifica como ‘filho do marido de Flordelis’ e informa que “infelizmente as notícias são verdades”. Contudo, a polícia ainda não confirmou se realmente um filho de Flordelis usou o aparelho para mandar tal recado. Já em outra mensagem, o responsável marcou o local onde aconteceu o crime – a casa de Flordelis e Anderson.

16 de agosto de 2019

Dois meses depois do assassinato, Lucas Cézar dos Santos de Souza, filho adotivo de Flordelis,  alegou à polícia que recebeu mensagens enviadas do celular da própria mãe pedindo que ele matasse o pai, Anderson do Carmo.

Lucas revelou que horas após ter recebido as mensagens, ligou para o telefone da mãe, mas a ligação não foi atendida por ela. Ele, então, mostrou as mensagens para Flordelis, que teria ficado nervosa.

20 de agosto de 2019

Maria Edna do Carmo, mãe de Anderson do Carmo, revelou em depoimento à polícia que ficou sabendo que o pastor estava tendo um caso amoroso com uma das filhas biológicas de sua esposa, Flordelis de Souza (PSD-RJ), antes de ele ser assassinado, há dois meses.

24 de agosto de 2019

Traições e relacionamentos amorosos entre irmãos na casa de Flordelis. O depoimento de uma das filhas adotivas do casal de pastores trouxe novos elementos para a investigação da morte do pastor Anderson do Carmo. Na Delegacia de Homicídios de Niterói e São Gonçalo, Erica dos Santos de Souza relatou que que o filho biológico da deputada, Adriano dos Santos havia tido um relacionamento amoroso com duas irmãs adotivas, Nylaine e Lorrana.

Comportamento semelhante aconteceu com a filha biológica de Flordelis, Simone dos Santos que teve envolvimento com o irmão adotivo Alexandre Freire. Já o depoimento da mãe do pastor, revelou que Anderson teria namorado Simone e só depois que se casou com Flordelis.

16 de novembro de 2019

Em meio às reviravoltas do caso Flodelis, uma testemunha da morte do pastor Anderson do Carmo acusou a Flordelis de influenciar Lucas Cézar dos Santos, um de seus filhos, a mudar sua versão. A acusação foi feita pela ex-patroa de Lucas, Regiane Ramos.

Ainda que sempre tenha negado participação no crime, no fim de setembro, Lucas admitiu participação por meio de uma carta.

A deputada negou que tenha tentado influenciar o depoimento dos filhos.

24 de agosto de 2020

A Polícia Civil e o MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro) denunciaram Flordelis como a mandante do assassinato do marido, mas por ter foro privilegiado, a deputada federal não foi presa. Outras dez pessoas também foram denunciadas pelo crime.

O inquérito concluiu que o pastor Anderson foi morto por questões financeiras e poder na família, já que ele controlava todo o dinheiro do Ministério Flordelis, hoje rebatizado de Comunidade Evangélica Cidade do Fogo.

De acordo com as investigações, Flordelis já planejava desde 2018 a morte  de Anderson. Segundo a polícia, antes do assassinato a tiros, Flordelis tentou matar o marido pelo menos quatro vezes — uma delas com doses de arsênico na comida.

25 de agosto de 2020

Um dia após ser denunciada como mandante do crime, a deputada foi acusada de tratar os filhos de formas diferentes. Flordelis e Anderson eram conhecidos por ter 55 filhos, sendo 1 fruto do relacionamento entre os dois, 3 biológicos de outro relacionamento de Flordelis, e 51 adotivos. As investigações apontam que a casa era dividida, e os filhos eram tratados de forma diferente.

A primeira geração, formada pelos filhos biológicos e os primeiros a serem adotados, num total de oito, tinham acesso à melhor comida e a quartos melhores na casa em comparação aos outros 47 que chegaram depois.

Chamados de “primeira geração”, o grupo de oito tinha acesso à uma geladeira e a uma despensa, ambas localizadas no segundo andar da casa. Enquanto isso, os outros filhos dividiam quartos coletivos no terceiro andar ou então ficavam limitados à uma alimentação de qualidade inferior (confira os detalhes aqui).

Ainda no dia 25 de agosto, veio a público a suspeita da Polícia de que a deputada teria ido à casa de swing, com o marido na noite do crime. 

A suspeita se dá com base no depoimento de uma testemunha que afirmou saber que o casal tinha como costume de frequentar uma casa de swing, em Botafogo. Além disso, a Polícia recebeu informações da CET-Rio que contradizem o depoimento de Flordelis. Ela disse que esteve em Copacabana, bairro da Zona Sul do Rio, mas o último registro do órgão responsável por aferir o tráfego na cidade diz que a última localização do veículo foi em Botafogo, próximo a casa de swing citada pela testemunha.

Também no dia 25, artistas se pronunciaram. Um filme sobre a história de Flordelis foi gravado com a participação de diversos famosos. Dentre eles,  Bruna Marquezine, Reynaldo Gianechinni, Cauã Reymond, Fernanda Lima e Thiago Martins que afirmou se arrepender de ter trabalhado no longa.

26 de agosto de 2020

Em 26 de agosto veio à publico que a filha adotiva da deputada, Marzy Teixeira da Silva, teria recebido da mãe a missão de contratar alguém para matar o pai, o pastor Anderson do Carmo. É o que revela investigações da Polícia Civil do Rio de Janeiro.

Marzy fez buscas na internet para encontrar um assassino. Os termos utilizados teriam sido “assassino onde achar”, “alguém da barra pesada” e “barra pesada online”.

27 de agosto de 2020

Um dos filhos adotivos de Flordelis afirmou em depoimento que a deputada visitava seu quarto para fazer sexo com ele. O relacionamento, segundo o rapaz, num primeiro momento era constantemente e, depois, de forma esporádica, até ele começar a namorar.

O rapaz também afirmou que deputada Flordelis oferecia as filhas adotivas para fazer sexo com pastores estrangeiros que visitavam a casada família no Rio Comprido, na zona oeste do Rio de Janeiro.

Segundo ele, o ato seria uma “forma de recepção”. O homem saiu da casa em 2000, após se casar com uma frequentadora do Ministério Flordelis.

Também no dia 27, se tornou público um áudio que a deputada enviou para fiéis de sua igreja os convocando para um culto teria acontecido no dia 25, em Piratininga, Niterói.

No áudio, ela ainda teria pedido que nenhum fiel “dê respostas nas redes sociais” e que a “batalha” será “vencida na oração”.

Ainda no dia 27, Flordelis apareceu em vídeo cobrando testemunha sobre dizer que ela frequenta casas de swing.  “Vai ter que me pagar por danos morais”, afirmou a deputada no vídeo que foi posteriormente apagado. Para ver o vídeo, clique aqui).

28 de agosto de 2020

Flordelis fez um ensaio fotográfico ao lado do marido três dias antes do crime. As fotos foram feitas pelo produtor e editor de moda Marco Antônio Ferraz, que prestou depoimento e afirmou nunca ter desconfiado que não havia amor na relação do casal.

31 de agosto de 2020

Em uma entrevista exclusiva ao SBT, Flordelis falou pela primeira vez à imprensa. Ao ser questionada pelo apresentador Roberto Cabrini sobre a possibilidade de perder a imunidade parlamentar e ir para a cadeia, a deputada disse que não será presa. “Eu tenho certeza que minha inocência será provada nos próximos dias”, afirmou a deputada.

“Eu só quero que o Ministério Público venha até mim e me diga qual o motivo me levaria a matar o meu marido”, disse. Cabrini, então, pergunta se ela te esperança de um dia reencontrar o marido no céu ou no inferno. E ela responde: “No céu com certeza”.

Para Cabrini, a deputada ainda revelou que fez sexo com pastor no capô do carro na noite do crime. 

“Fomos à Copacabana, andamos no calçadão, fizemos as brincadeiras, andamos na praia. Depois fomos para o carro, ele pegou uma pista deserta, não sei dizer o local, só se eu for lá, talvez eu consiga, mas não prestei atenção no caminho. Eu sei que ele chegou em um lugar que tinha muitos carros parados, mas não tinha bar, nada disso. Nós paramos ali, namoramos, que era uma coisa normal nossa, na estrada. Me beijou bastante, eu sentei no capô do carro e tivemos relações. Falei “amor, amanhã a gente vai acordar cedo, né?”. Isso foi por volta de 2h e alguma coisa”, contou.

Nesse mesmo dia, um domingo, o programa Fantástico, da TV Globo, mostrou o depoimento de uma testemunha em que ela afirma que Flordelis teria oferecido sexualmente uma das filhas afetivas a pastores estrangeiros.

A testemunha afirmou que, em determinada época, os familiares receberam a visita de pastores pentecostais estrangeiros. Também disse que, como forma de recepção para os religiosos, a parlamentar ofereceu uma das filhas sexualmente para os mesmos.

De acordo com a denúncia do MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro), há uma “completa dissociação entre a imagem construída e as práticas do grupo familiar”.

1º de setembro de 2020

Em entrevista à TV Globo, uma pessoa que morou na casa de Flordelis e do pastor Anderson do Carmo disse que o casal mantinha relações sexuais com os filhos. A testemunha preferiu não ser identificada por ter medo de sofrer represálias da família da deputada.

“Durante o convívio, era perceptível que eles mantinham relações sexuais entre irmãos, entre pai e filha, entre mãe e filhos. Isso era nítido, notório, e inclusive contado pelos próprios”, contou.

Essa testemunha também revelou que o casal usava a língua do P para se comunicar com o núcleo privilegiado da família. O objetivo era evitar que os demais membros entendessem o que estava sendo dito.

A revelação foi feita ao “RJ2“, da TV Globo, por uma testemunha que morou na casa da família durante um tempo.

2 de setembro de 2020

Em 2 de setembro, Flordelis quebrou o jejum das redes sociais e se manifestou na web. Na mensagem, postada em suas contas no Instagram e Facebook, a parlamentar afirma que está sendo condenada sem direito a julgamento.

No texto publicado, acompanhado de uma mensagem bíblica, a pastora diz que a mídia tem veiculado “das formas mais cruéis” o caso e que ela está sendo “condenada, sem nem ter direito a julgamento”. (Para ver o comunicado completo, clique aqui).

No mesmo dia, a influenciadora digital, cantora e dançarina, Inês Brasil se pronunciou sobre o caso. No vídeo publicado por Inês, ela começa falando: “Ai ‘Flor de Lins’, se entrega em nome de Jesus. Para de correr, mostra que tu é mulher”.

Ainda no segundo dia de setembro, a polícia informou que a deputada também é investigada por fraude no registro do filho que ela dizia ser biológico. Flordelis admitiu que Daniel não é seu filho biológico, mas culpou o marido pelo crime, que segundo o Código Penal, pode dar entre 2 e 6 anos de reclusão.

3 de setembro de 2020

No início de setembro, a deputada não foi encontrada pela Corregedoria da Câmara dos Deputados, após duas tentativas de notificação sobre a abertura de processo de investigação que pode culminar na cassação do mandato dela.

6 de setembro de 2020

No dia 6, mais uma bomba no caso Flordelis. Só que, desta vez, uma bomba literal. Neste dia, veio à público a notícia de que uma testemunha da investigação da morte do pastor Anderson de Carmo denunciou à polícia que uma bomba caseira foi jogada em sua casa na madrugada de sexta-feira, 4.

Também no dia 6, se tornou de conhecimento público que cinco das sete igrejas do Ministério Flordelis já haviam fechado as portas e os cultos estão com cada vez menos fiéis. O público fica menor a cada novo escândalo ou detalhe da vida pessoal revelado pela polícia e pela imprensa.

7 de setembro de 2020

A deputada federal Flordelis emprega em seu gabinete um dos seus filhos, com quem é proibida pela Justiça de ter contato. Trata-se de Gerson Conceição de Oliveira, que é secretário parlamentar e recebe R$ 15,6 mil.

Flordelis foi denunciada pelo crime, mas não pode ser presa por possuir imunidade parlamentar. Por conta disso, a Justiça determinou a proibição da pastora de manter contato com qualquer testemunha do caso, outros réus no processo e também aqueles que ainda estão sendo investigados, como é o caso de Gerson.

9 de setembro de 2020

Após duas tentativas, em 9 de setembro, a Corregedoria da Câmara dos Deputados encontrou a parlamentar e ela foi notificada sobre a abertura de processo de investigação que pode culminar na cassação do mandato da parlamentar. A deputada terá cinco dias úteis para apresentar sua defesa no processo por quebra de decoro parlamentar

17 de setembro de 2020

Flordelis usou suas redes sociais para fazer uma homenagem ao ex-marido assassinado. Na publicação, a pastora e deputada federal diz que “tem sido muito difícil viver” sem o marido e que “mesmo o tempo passando, jamais será suficiente para que a dor da sua ausência diminua”.

Compartilhe: