Últimas notícias:

Loading...

Felipe Neto faz crítica a quem publica ‘força, covid’ contra Bolsonaro

Youtuber ainda explicou por que, na opinião dele, seria péssimo para o Brasil se o presidente morresse agora: "viraria um mártir"

Por: Redação

O youtuber Felipe Neto, ferrenho crítico do governo Jair Bolsonaro (sem partido), decidiu se manifestar pelas redes sociais a respeito da onda de manifestações negativas contra o presidente. Após Bolsonaro afirmar que estava com febre e se submeteu a um teste do novo coronavírus, internautas passaram a comentar “força, covid” no Twitter, usando a hashtag #forçacorona. O termo figura nos trending topics da rede social, como um dos assuntos mais comentados do Brasil e do mundo.

felipe neto bolsonaro
Crédito: Reprodução/InstagramFelipe Neto se posiciona contra quem deseja “forças” ao covid-19 contra Bolsonaro

“Torcer, ou mesmo fazer piada, pela morte do Bolsonaro, te coloca na mesma caixinha de tudo que estamos tentando destruir no Brasil. Bora derrotar essa gente de forma legítima, bora VENCER. Morte é o cacete.”, escreveu Felipe Neto.

Felipe Neto continuou: “Aliás, já que estamos no assunto, o Bolsonaro morrer seria o pior dos cenários. O bolsonarismo ganharia MUITO mais força, ele viraria um mártir, um herói, um ícone pra 1 a cada 3 brasileiros. Jair é apenas um peão. Ele é a peça mais fácil de substituir nessa articulação doentia.”, disse.

Em contrapartida…

Na noite desta segunda-feira, 6, o humorista Fabio Rabin se viu numa encruzilhada após fazer um post irônico sobre a possibilidade de o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) estar infectado com a covid-19.

“Acho feio desejar mal ao Bolsonaro. Nessa hora é importante a família e os apoiadores darem aquele ABRAÇO e permanecerem JUNTOS”, escreveu o humorista.

Como represália, apoiadores do presidente fizeram comentários agressivos contra sua esposa, a locutora da Rádio Rock, Camila Pinheiro, desejando que ela voltasse a ter câncer de mama. Veja toda a história aqui.


#NessaQuarentenaEuVou – Dicas durante o isolamento:


Crédito: Divulgação/Ministério da Saúde